Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Volkswagen proíbe funcionários de jogar Pokémon Go na Alemanha

Em carta a 70.000 trabalhadores, empresa diz que jogo aumenta risco de acidente de trabalho devido à "falta de atenção" e à "distração"

Por Da redação - 11 ago 2016, 08h55

A fabricante de automóveis alemã Volkswagen proibiu seus empregados de jogar Pokémon Go em qualquer espaço da sede central em Wolfsburg, conforme um comunicado interno da empresa repercutido nesta quinta-feira pelo jornal Bild.

A “falta de atenção” e a “distração” ao jogar Pokémon Go aumenta o risco de acidente de trabalho, aponta o grupo na carta dirigida a seus 70.000 empregados. Além disso, a ativação da geolocalização permite a terceiros conhecer a posição atual do usuário, o que representa um risco para a segurança da empresa, adverte.

As condições de uso permitem ao responsável do aplicativo compartilhar toda a informação do usuário com terceiros, o que afeta seriamente a proteção de dados, e o compartilhamento de fotos e vídeos constitui um perigo em termos de confidencialidade, de acordo com o texto da Volkswagen.

“Quase todo mundo joga aqui. Eu mesmo capturei três Pokémons ontem na linha de montagem. O trabalho não foi afetado por isso, mas em geral os chefes ficam com a razão”, afirmou ao jornal um funcionário da firma, que por razões óbvias não foi identificado.

Publicidade

Leia também:
Ação da Nintendo cai 18% após empresa rever impacto de Pokémon Go
‘Enem é mais importante que Pokémon Go’, diz MEC

Outro operário reconheceu que também joga no trabalho, mas não considera que isso seja “o fim do mundo”. A Volkswagen não é a única a banir o uso do aplicativo no ambiente de trabalho. A companhia de siderurgia alemã Thyssenkrupp enviou um comunicado interno para seus 31.000 empregados da sua sede em Ruhr com a sucinta, porém clara, mensagem “Don’t Pokémon and work” (ou “Não jogue Pokemon, trabalhe”).

(Com agência EFE)

Publicidade