Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Villepin propõe redução da dependência mundial da energia nuclear

Manaus, 23 mar (EFE).- O ex-primeiro-ministro francês Dominique de Villepin propôs nesta sexta-feira uma redução ‘realista’ da dependência mundial da energia nuclear, ao discursar no Fórum Mundial de Desenvolvimento Sustentável.

‘Em nosso país, 75% da energia vem de usinas nucleares e houve um grande debate depois do desastre de Fukushima’, ocorrido o ano passado quando uma usina nuclear japonesa foi afetada pelo terremoto do dia 11 de março nesse país, declarou Villepin a jornalistas, em Manaus.

Segundo Villepin, o acidente de Fukushima deu pé a um debate na França sobre o uso da energia nuclear.

‘Alguns acham que devemos continuar usando esse tipo de energia e outros que devemos reduzir nossa dependência, inicialmente, de 75% para 50%’, apontou.

Villepin advertiu que essa redução deve ser ‘realista’ e citou o caso da Alemanha, que propõe uma redução a zero, como exemplo de substituição da energia nuclear por energias verdes.

‘A pergunta é como essa mudança pode ser realista em um país industrializado? Não é fácil conseguir esse objetivo a curto prazo’, questionou.

Villepin considerou que qualquer processo de redução da dependência da energia nuclear ‘necessita de uma nova economia verde’ que permita ‘um maior equilíbrio entre a energia nuclear, a eletricidade e as novas energias renováveis’.

‘Essa é uma das principais questões no dia de hoje, conciliar os diferentes interesses globais no meio de uma crise financeira de longo prazo e com problemas de índole moral e política, pois o meio ambiente não é uma questão que se limita a um só país’, ressaltou.

Para o político francês, se requer ‘responder às necessidades individuais de cada país sem afetar os outros, pois há dificuldades que devem ser enfrentadas de maneira imediata, como desmatamento e falta de água’.

‘Devemos aceitar a diversidade e encontrar ferramentas, como um novo organismo das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável’, especificou. EFE