Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vigor compra metade da produtora de leite Itambé

Empresa do grupo JBS quer expandir sua marca de produtos lácteos para Minas Gerais e Rio de Janeiro, onde a nova sócia tem boa aceitação

A Vigor Alimentos, empresa de lácteos da holding J&F, que também controla a companhia de alimentos JBS, confirmou nesta quinta-feira a compra da mineira Itambé. O acordo foi fechado hoje com a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR), dona da Itambé. O valor do negócio foi 410 milhões de reais, que serão investidos para “fortalecer a estrutura de capital e contribuir para o crescimento de uma das mais tradicionais companhias de lácteos do Brasil”. Como resultado da operação, Vigor e CCPR passarão a ser sócias e a empresa de alimentos da J&F deterá uma participação de 50% no capital social da Itambé.

Segundo a Vigor, o aporte na Itambé, quando concluído, irá acelerar a execução do plano estratégico da Vigor, como os de Minas Gerais e Rio de Janeiro, “regiões bastante complementares às principais áreas de atuação da Vigor”. “A força da marca Itambé, uma das mais tradicionais marcas do segmento de lácteos no País, será uma das principais alavancas de criação de valor desse investimento”, afirma em nota Maurício Hasson, diretor de Relações com Investidores da Vigor. Ele cita que os produtos da Itambé, que incluem leite em pó, iogurtes e requeijões, serão complementares aos produtos da Vigor.

A Itambé, de acordo com a Vigor, que continuará com uma estrutura de capital adequada, processos operacionais e administrativos independentes e gestão totalmente profissionalizada e os resultados oriundos deste investimento deverão ser consolidados nas demonstrações financeiras da Vigor. A conclusão da operação está sujeita a algumas condições precedentes usuais neste tipo de operação, dentre as quais, a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Leia também:

Escândalo da carne de cavalo atinge Nestlé e JBS

Vigor investirá entre R$400 mi e R$500 mi por ano em expansões

A CCPR, controladora da Itambé, estava à procura de um sócio no setor ou um investidor estratégico desde 2011. Na época, a informação era de que esse novo acionista assumiria uma fatia de 20% a 30% da companhia. Se a capitalização da empresa não desse certo dessa forma, a CCPR cogitava fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) num prazo de dois ou três anos (2013 ou 2014).

A Itambé, pelo último ranking divulgado pela Leite Brasil, de 2011, era a terceira maior empresa em captação de leite, com recepção anual – de produtores diretos e de terceiros – de 1,1 milhão de litros de leite, com 8,55 mil produtores e produção de 272 litros de leite por dia. A empresa possui cinco fábricas, sendo quatro em Minas Gerais e uma em Goiás, dez centros de distribuição e volume de processamento de mais de 3 milhões de toneladas de leite por ano.

A lista não inclui a BRF, que com a unidade de lácteos, figura entre as três primeiras colocações. A Vigor, nesse ranking, aparece em 10º lugar, com recepção anual de 242,34 mil litros, 1,296 mil produtores e 370 litros de leite por dia.

(Com Estadão Conteúdo)