Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Vendas no País caem 7,91% em setembro, diz CNDL

Por Da Redação - 6 out 2011, 10h33

Por Andrea Jubé Vianna

Brasília – As vendas a prazo caíram 7,91% em setembro em relação a agosto, segundo os dados do SPC Brasil divulgados hoje pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Na comparação com setembro do ano passado, no entanto, as vendas ainda registram crescimento de 3,46%, a sexta alta consecutiva na mesma base de comparação.

Segundo a CNDL, o mês de setembro tradicionalmente tem um baixo volume de vendas porque os consumidores comprometem a renda em meses anteriores devido a datas comemorativas, como Dia dos Namorados, Dia dos Pais e liquidações de inverno. A CNDL espera um aumento do consumo nos próximos meses, estimulado pelo Dia das Crianças, em outubro, e pela proximidade do Natal.

No acumulado do ano (entre janeiro e setembro), o indicador SPC Brasil mostra ainda uma expansão das vendas de 5,5% na comparação com o mesmo período de 2010. “A combinação de um cenário externo negativo e uma desaceleração do ritmo de crescimento da economia ainda não impactaram de forma negativa o desempenho do comércio que apresenta resultados positivos”, destaca a CNDL.

Publicidade

Inadimplência

A CNDL divulgou também o número de registros junto ao SPC Brasil, ou seja, a taxa de inadimplência, que em setembro apresentou queda de 3,62% em relação a agosto deste ano. No entanto, na comparação com igual mês de 2010, o índice de inadimplência registra alta de 5,8% e, no acumulado do ano, alta de 5,26% ante janeiro a setembro de 2010.

Esse aumento, segundo a entidade, deve-se às medidas de aperto monetário do início do ano, que tem efeitos retroativos na economia, o aumento de juros e às restrições de prazo em linhas mais baratas, o que acabou elevando o descontrole orçamentário das famílias. “Ademais o agravamento da crise internacional, que vem pressionando a alta do dólar , aliado ao aumento da inflação devem persistir, reduzindo o poder de compra da população, contribuindo com a inadimplência”, destaca a CNDL.

Publicidade