Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Vendas do varejo caem 0,4% em agosto, diz IBGE

Por Da Redação 11 out 2011, 09h27

Por Daniela Amorim

Rio – As vendas do comércio varejista caíram 0,4% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que esperavam desde uma queda de 0,70% a uma alta de 0,50%, com mediana negativa de 0,10%.

Na comparação com agosto do ano passado, as vendas do varejo tiveram alta de 6,2% em agosto deste ano. Nessa comparação, as projeções variavam de uma alta de 5,80% a 8,00%, com mediana de 6,85%. Até agosto, as vendas do setor acumulam altas de 7,2% no ano e de 8,2% nos últimos 12 meses. O índice de média móvel trimestral das vendas do comércio varejista subiu 0,4% no trimestre encerrado em agosto, segundo informou o IBGE.

A receita nominal do comércio varejista subiu 0,3% em agosto, na comparação com julho, na série com ajuste sazonal, segundo a pesquisa. Em relação a agosto de 2010, a alta na receita foi de 12,3%. No ano, a receita nominal do comércio acumula expansão de 12,3% e, em 12 meses, de 13,1%. A média móvel trimestral ficou em 0,8%.

Revisões

O instituto também revisou a taxa de variação das vendas do comércio varejista ampliado, que inclui veículos e motos e material de construção, em julho, na comparação com o mês anterior. O volume de vendas foi recalculado de alta de 0,6% para queda de 0,1%.

Também houve revisão nas vendas de junho ante maio, que passou de uma variação de 0,3% para 0,2%, e na taxa de maio ante abril, que saiu de 0,6% para 0,5%. A taxa de abril ante março foi revista de 1,2% para 1,1%.

Por fim, o IBGE revisou a taxa de variação das vendas do comércio varejista em julho, na comparação com o mês anterior. O volume de vendas foi recalculado de 1,4% para 1,2%. Também houve revisão nas vendas de maio ante abril, que passou de uma variação de 0,8% para 0,7%, e na taxa de abril ante março, que saiu de -0,1% para -0,2%.

Continua após a publicidade
Publicidade