Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Vendas de fertilizantes no Brasil crescem 8,5% até maio–Anda

Por Da Redação - 19 jun 2012, 19h10

SÃO PAULO, 19 Jun (Reuters) – As vendas de fertilizantes no Brasil cresceram 8,5 por cento no acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, somando 9,259 milhões de toneladas, segundo dados da indústria desta terça-feira, impulsionadas pela demanda de produtores mais capitalizados na atual temporada.

A Associação Nacional para a Difusão de Adubos (Anda) informou que no mesmo período do ano passado, entre janeiro e maio, as entregas de fertilizantes somaram 8,530 milhões de toneladas.

“Isso é, principalmente, pela relação de troca favorável. O produtor está capitalizado e o patamar é considerado atrativo para a compra (do insumo)”, disse David Roquetti Filho, diretor executivo da Anda.

Os preços da soja em altos patamares, perto de níveis recordes, na atual temporada e a valorização do dólar tem estimulado a compra de insumos pelos produtores brasileiros.

Publicidade

Ao mesmo tempo, o dólar alto também gera uma pressão de alta nos preços dos fertilizantes que são importados e vulneráveis à volatilidade do câmbio.

Em Mato Grosso, um dos grandes produtores de soja do Brasil, produtores vêm optando por antecipar a compra de fertilizantes e já adquiriram mais de 90 por cento da demanda do Estado, segundo acompanhamento do Instituto Mato Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Já as importações no período tiveram um recuo de 22,8 por cento, para 5,721 milhões de toneladas, entre janeiro e maio deste ano, versus 7,407 milhões de toneladas em igual intervalo de 2011.

O executivo explicou que esta queda pode ser atribuída ao consumo dos estoques de passagem, que estavam em níveis elevados.

Publicidade

O dado mais recente no site da Anda indica que os estoques de passagem estava 48 por cento maiores em dezembro ante o mesmo mês de 2011, somando 5,127 milhões de toneladas.

O dado é divulgado semestralmente, a nova atualização do nível dos estoques de fertilizantes disponíveis nas indústrias do país deve sair em meados de julho.

(Reportagem Fabíola Gomes)

Publicidade