Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Venda de unidade de resíduo da E.ON atrai pouco interesse-fontes

Por Da Redação - 23 maio 2012, 11h41

FRANKFURT, 23 Mai (Reuters) – A empresa de energia alemã atraiu pouco interesse na venda de sua unidade de geração de energia por meio de resíduos, com ofertas que dificilmente vão ultrapassar 800 milhões a 1 bilhão de euros (1 bilhão a 1,3 bilhão de dólares), disseram três pessoas com conhecimento do processo de venda.

Excesso de capacidade em usinas de queima de resíduos, preços de eletricidade caindo bruscamente e um declínio esperado na quantidade de resíduos disponíveis para a queima, já que a reciclagem está se tornando mais refinada, estão pesando nas perspectivas para a unidade, esfriando o interesse por ofertas.

Quatro potenciais compradores são esperados a submeter ofertas até 8 de junho, com o Morgan Stanley Infrastructure e o grupo sueco de private equity EQT sendo considerados os principais nomes na disputa, segundo as fontes.

A Sembcorp, de Cingapura, também ainda está na corrida, enquanto que a empresa alemã MVV está interessada somente em partes da unidade de queima de resíduos.

Publicidade

A E.ON, no entanto, prefere vender a unidade como um todo, disseram duas fontes, acrescentando que isso também inclui alguns ativos mais antigos que precisam de investimentos e dificilmente seriam vendidos de forma independente.

Fontes bancárias e do setor disseram à Reuters no mês passado que ofertas não vinculativas de 1,2 bilhão a 1,5 bilhão de euros foram submetidas, mas disseram esperar que sejam revisadas para baixo na rodada atual.

A data final original para as ofertas era 25 de maio, mas os interessados ganharam um tempo extra para conduzir o due diligence. “Eu não desconsideraria um novo adiamento”, disse uma pessoa próxima da transação.

A E.ON, a Morgan Stanley, a EQT e a MVV não quiseram comentar. A Sembcorp não estava imediatamente disponível para se pronunciar.

Publicidade

A Foster Wheeler, baseada nos Estados Unidos e a alemã de serviços de água e ambientais Remondis saíram da disputa, disse uma das fontes.

A unidade da E.ON de energia a partir de resíduos gerou receitas de 544 milhões de euros em 2011. A unidade tem 18 incineradores de resíduos na Europa -a maioria na Alemanha- com uma capacidade anual de cerca de 4 milhões de toneladas.

A venda da unidade é parte do programa de alienação de 15 bilhões de euros da E.ON para simplificar as suas atividades, enquanto o grupo luta para lidar com a decisão da Alemanha de fechar todas as usinas nucleares até 2022.

A E.ON contratou o Barclays e o Royal Bank of Scotland para coordenar o processo.

Publicidade

(Reportagem de Jonathan Gould, Arno Schuetze, Tom Kaeckenhoff, Isabell Witt)

Publicidade