Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Venda de ativos da JBS tem resultado abaixo do esperado

A companhia pretendia levantar R$ 6 bilhões, mas só conseguiu R$ 4,8 bilhões ao se desfazer de quatro empresas

Sete meses depois de anunciar que iria se desfazer de parte de seus negócios para reduzir dívidas, a JBS finalizou na quarta, com a venda de parte da Five Rivers nos Estados Unidos, seu programa de vendas com receitas abaixo do previsto.

Os quatro ativos vendidos pela companhia, que é controlada pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, renderão 4,8 bilhões de reais à empresa de alimentos. O valor corresponde ao que de fato entrará no caixa da JBS.  O montante ficou aquém dos 6 bilhões de reais definidos como meta pela empresa ao anunciar em junho do ano passado seu “programa de desinvestimentos” – jargão do mercado para venda de empresas e negócios. A JBS não quis comentar os números.

A empresa é controlada pela J&F, envolvida em casos de denúncia de corrupção. Por conta dos episódios, a J&F fechou um acordo de leniência com o Ministério Público que prevê o pagamento de 10,3 bilhões de reais em multas, ao longo de 25 anos.

Quase 70% dos 4,8 bilhões de reais levantados vieram de “dentro” da JBS. É que a companhia de alimentos britânica Moy Park foi vendida para a Pilgrim’s Pride, companhia americana também controlada pela JBS. Na operação, a empresa nos Estados Unidos assumiu dívidas da Moy Park e pagou 3,250 bilhões de reais (pelo câmbio da época) a sua controladora. Para isso, pegou empréstimos no mercado – dívida que também passou a ser de sua dona, a JBS.

Com o negócio, a companhia dos Batistas conseguiu alongar sua dívida (colocou no caixa um bom dinheiro em troca de financiamentos de longo prazo e mais baratos) e pôde manter a Moy Park no portfólio.

A JBS levantou ainda R$ 786 milhões com a venda de sua fatia na companhia de lácteos Vigor e 780 milhões de reais  com a venda das operações de confinamento da Five Rivers no Canadá e nos Estados Unidos. A empresa afirma que, com isso, encerrou as vendas no mercado.

O movimento foi reação à crise desencadeada pela delação dos irmãos Batistas. Com a revelação dos crimes praticados pelos empresários, os bancos restringiram o crédito à companhia, que tinha dívida líquida de mais de 50 bilhões de reais (diferença entre o que deve na praça e o que tem em caixa). Era um valor visto como elevado pelo mercado, já que correspondia a 4,16 sua geração de caixa.

Ao fim de setembro, último resultado divulgado, a dívida líquida recuara para 45,5 bilhões de reais e a alavancagem baixara para 3,42 (dívida/EBTIDA)