Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vazamento mal controlado é 1ª hipótese de investigação

Relatos preliminares sugerem que explosão de navio-plataforma no ES ocorreu após técnico que pensara ter consertado vazamento deixar casa de bombas

A primeira hipótese com que a Petrobras trabalha para explicar o acidente no navio-plataforma Cidade de São Mateus, a 80 quilômetros da costa do Espírito Santo, é a de que um vazamento mal controlado por um técnico na casa de bombas da embarcação tenha originado a explosão. O acidente, que aconteceu por volta de 14h50 desta quarta-feira, matou ao menos três pessoas, feriu dez e deixou seis desaparecidos.

Segundo informações recebidas pelos investigadores de testemunhas, um técnico que trabalhava na manutenção do navio-plataforma detectou um princípio de vazamento, pensou ter consertado o problema e saiu para almoçar. Pouco tempo depois, a casa de bombas explodiu. Essa versão, porém, carece de detalhes e de comprovação. Até porque suscita algumas dúvidas que os técnicos que trabalham na gestão da crise dentro da estatal ainda estão tentando esclarecer.

A primeira questão é: normalmente, por ser um local sensível, onde ficam os equipamentos que controlam a entrada de gás na plataforma, não há circulação de pessoas na casa de bombas. Apenas funcionários de manutenção e regulagem dos equipamentos entram ali. Na maior parte do tempo, o local fica vazio. Sendo assim, como a explosão atingiu 19 pessoas?

Leia também:

Em nota, Petrobras lamenta acidente com navio-plataforma

Outra dúvida: toda casa de bombas tem censores que detectam vazamento de gás e de fogo. A primeira versão que circulou na sala de crise da Petrobras indicava que um alarme de vazamento ecoou no navio-plataforma pouco antes da explosão. Nesse caso, a questão a ser respondida é como o técnico que fora controlar o vazamento teria deixado o local certo de que o problema fora resolvido?

Considerando a última situação, uma outra hipótese pode vir a ganhar força entre os técnicos envolvidos nas investigações: a de que, ao ouvir soar o alarme, a brigada de incêndio tenha corrido para o local e sido surpreendida pela explosão. Em regra, a brigada de incêndio de uma plataforma tem cerca de 12 pessoas.

Depois do acidente, o Cidade de São Mateus foi esvaziado e todos os circuitos de luz e de gás foram desligados. Cerca de 40 pessoas foram retiradas do navio-plataforma durante o dia. Permanece no local apenas um grupo muito pequeno de funcionários essenciais à operação.

Explosão navio-plataforma da Petrobras Cidade de São Mateus (ES) Explosão navio-plataforma da Petrobras Cidade de São Mateus (ES)

Explosão navio-plataforma da Petrobras Cidade de São Mateus (ES) (/)