Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Varejo reduz desconto e remédios sobem ainda este ano

Pressão de custos, como energia e água, e a valorização do dólar encareceram a matéria-prima importada. O resultado deve ser sentido no bolso do consumidor

Por Da Redação 19 out 2015, 11h08

Os reajustes no preço dos remédios chegarão antes do esperado para o consumidor. A pressão de custos, como energia e água, e a valorização do dólar encareceram a matéria-prima importada. Com isso, o desconto oferecido a distribuidores e varejistas do setor será cortado, segundo informou diretores de indústrias brasileiras à Folha de S. Paulo. “Nos próximos sessenta dias você vai ver que os descontos na porta da farmácia devem desaparecer. A conta vai para o bolso do contribuinte”, disse Nelson Mussolini, presidente executivo do Sindusfarma, sindicato que reúne as principais farmacêuticas do país.

A alta nos preços costuma acontecer em abril, logo depois de o governo liberar os aumentos. Com o aumento antecipado, o resultado será uma pressão adicional à inflação deste ano. Quase 90% dos princípios ativos usados nos remédios são importados. “Quando o câmbio era favorável, a indústria adotava uma política agressiva de descontos porque a competição era muito forte. Enquanto o câmbio estiver neste patamar alto, é legítimo que a indústria vá ao distribuidor negociar e reduzir esse desconto”, disse Paulo Bernardo, diretor da Interfarma, associação que reúne as multinacionais.

Desde 2003, quando foi definida uma política de controle de preços, o teto dos valores de tabela determinados pelo governo não costuma chegar ao consumidor. Isso acontece porque a concorrência entre empresas sempre estimulou a prática de descontos. No entanto, a crise fez com que esse procedimento ficasse para trás. “Isso [o aumento] será repassado para o preço. A farmácia não tem muita margem de manobra”, diz Sergio Mena Barreto, presidente da Abrafarma, associação que reúne grandes redes.

Leia mais:

Outlets de Miami sentem o peso da crise brasileira

PIB chinês e dúvidas sobre Levy levam dólar a R$ 3,90

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês