Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Varejo brasileiro recua 4,3% em 2015, sua maior retração já registrada

Setor fechou o ano passado com sua primeira queda desde 2003 e a mais forte desde o início da série histórica, em 2001

Por Da Redação 16 fev 2016, 08h49

Em meio ao cenário de recessão econômica, as vendas no varejo brasileiro registraram em 2015 sua maior queda histórica. A retração das vendas foi de 4,3% em relação a 2014, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Esse foi o primeiro resultado anual negativo desde 2003, quando o varejo recuou 3,7%. A queda foi puxada por perdas em segmentos importantes, como eletrodomésticos, móveis e combustíveis. A série histórica do IBGE começa em 2001.

Somente em dezembro, ainda segundo o IBGE, a atividade teve recuo de 2,7% em relação a novembro e de 7,1% em comparação com dezembro de 2014. As expectativas em pesquisa da agência Reuters eram de recuo de 2,5% na comparação com novembro e de 7,05% em relação a dezembro do ano anterior.

O IBGE informou que o pior desempenho no volume de vendas entre as atividades no varejo restrito em 2015 ficou para móveis e eletrodomésticos, com queda de 14%. Só em dezembro, o tombo foi de 8,7% em relação a novembro.

Leia mais:

Mercado piora previsão para o PIB em 2016 e já fala em retração de 3,3%

As vendas de combustíveis e lubrificantes chegaram a subir 0,5% em dezembro, mas fecharam o ano com recuo de 6,2%. Já hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, setor com maior peso na estrutura do comércio varejista, caiu 1% no último mês do ano, terminando 2015 com perdas de 2,5%.

Ainda segundo o IBGE, o volume de vendas no varejo ampliado – que inclui veículos e material de construção – caiu 0,9% em dezembro em comparação com o mês anterior, fechando o ano com recuo de 8,6%.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade