Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Varejista é acusada de racismo após anúncio com menino negro

Rede colocou um garoto negro para anunciar a venda de moletom com a frase: 'o macaco mais legal da floresta'

Por Fabiana Futema Atualizado em 8 jan 2018, 20h15 - Publicado em 8 jan 2018, 19h42

A rede varejista de moda H&M teve de pedir desculpas e retirar do ar o anúncio de venda de um moletom verde vestido por um menino negro. As medidas foram adotadas depois de a peça publicitária ser acusada de racismo nas redes sociais.

O que causou espanto e indignação foi a frase escrita na frente do moletom: ‘coolest monkey in the jungle’ (o macaco mais legal da floresta).

A blogueira de moda britânica Stephanie Yeboa foi uma das primeiras a criticar o anúncio. Muitas outras pessoas criticaram a H&M pelo anúncio considerado racista.

Depois da repercussão negativa, a rede foi obrigada a retirar o material do ar e se desculpar. “A imagem foi removida e o produto não será mais vendido em suas lojas”, informou a H&M em comunicado.

Os episódios de racismo no mundo publicitário não são raras, infelizmente. Recentemente, a marca de papel higiênico Santher, dona da marca Personal, teve de se desculpar por um anúncio que se apropriava de um lema do movimento negro – ‘black is beautiful’.

A Dove também foi obrigada a se desculpar pela campanha que mostrava uma mulher negra se transformando em outra bronca. A modelo negra chegou a defender a campanha, mas disse entender a decisão da Dove de retirar o material do ar.

A Kellogg’s foi obrigada a mudar a embalagem de um cereal depois das críticas do escritor de ficção Saladin Ahmed repercutirem nas redes sociais. Ele questionou o fato de a ilustração da caixa mostrar vários personagens em formato de milho com cores claras se divertindo enquanto o único em cor escura era o faxineiro.

Continua após a publicidade
Publicidade