Clique e assine a partir de 9,90/mês

Vale vai desativar barragens iguais às de Brumadinho e Mariana

Suspensão representará uma redução na produção de 40 milhões de toneladas por ano de minério de ferro, o equivalente a 10% da volume total da companhia

Por Redação - Atualizado em 29 jan 2019, 20h45 - Publicado em 29 jan 2019, 20h26

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, anunciou na noite desta terça-feira, 29, que a companhia irá paralisar temporariamente a produção de minério de ferro e desativar todas as dez barragens semelhantes às que romperam em Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais.

Nas duas cidades mineiras, a mineradora utilizava o método conhecido como alteamento a montante, no qual a barragem vai subindo na forma de degraus de acordo o volume dos rejeitos vai aumentando.

Segundo Schvartsman, a empresa tinha 19 barragens funcionando por esse sistema, mas nove já estavam desativadas. Para fazer a desativação das dez que restaram, a Vale precisará suspender a produção por medida de segurança.

De acordo com ele, a suspensão representará uma redução na produção de 40 milhões de toneladas por ano de minério de ferro, o equivalente a 10% da volume total da companhia.

Continua após a publicidade

“É um esforço inédito de uma empresa de mineração no sentido de dar resposta cabal à altura da enorme tragédia que tivemos em Brumadinho”, disse ele referindo-se ao rompimento da barragem na sexta-feira passada, que deixou 84 mortos. 

O processo de descomissionamento, que significa devolver a barragem à natureza, demora de 1 a 3 anos. O custo para a desativação das estruturas será de 5 bilhões de reais.

Segundo Schvartsman, os projetos estão prontos e serão enviados aos órgãos responsáveis nos próximos 45 dias. “Após a concessão das licenças ambientes, iniciaremos imediatamente o processo para que todas sejam descomissionadas.”

Todas as 19 barragens que serão desativadas ficam em Minas Gerais. Vale garante que não irá demitir funcionários em razão dessa redução, e sim absorvê-los em outros locais de mineração.

Continua após a publicidade

“O normal seria demitir”, disse Schvartsman, que disse que, no entanto, os cerca de 5.000 trabalhadores envolvidos nessas barragens seriam absorvidos pelas demais unidades da companhia – a Vale tem aproximadamente 85 mil funcionários.

 

Publicidade