Clique e assine a partir de 9,90/mês

Um terço das casas brasileiras não conta com rede de esgoto

A pesquisa mostrou que o recolhimento de lixo feito diretamente nas casas aumentou de 82,6% para 82,9% de 2016 para 2017

Por Da redação - 26 abr 2018, 10h01

Um terço das casas brasileiras não contava com acesso direto à rede de esgoto em 2017. Isso é o que mostra a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dos 69,8 milhões de domicílios existentes no país, 66% fazem o escoamento do esgoto pela rede geral. Outros 30,3% utilizam fossas não ligadas à rede e 2,9% fazem o escoamento por outros meios.

Das regiões brasileiras, a Norte é a com menor presença de casas com rede de esgoto, apenas 20,3%. Lá, 69,2% fazem o escoamento por fossas não ligadas à rede geral e 8,8% por outros meios. O Sudeste era a região com mais casas ligadas à rede de esgoto (88,9%) e com menor porcentual de escoamento por fossas não ligadas à rede (8,9%).

Os dados de 2017 se mantêm equivalentes aos da pesquisa de 2016, quando 65,9% dos lares contavam com acesso direto à rede de esgoto, sendo maior a presença no Sudeste (89%). 

A pesquisa mostrou que o recolhimento de lixo feito diretamente nas casas aumentou de 82,6% para 82,9% de 2016 para 2017. Mas a presença desse serviço não acontece de forma igual pelo país. No Sudeste, 91,6% dos lares possuem o serviço. Já no Norte e no Nordeste, apenas 69,8% e 69,6%, respectivamente, contam com a coleta direta. “O restante é feito indiretamente, em caçambas”, afirma Maria Lúcia Vieira, gerente da Pnad Contínua. 

Continua após a publicidade

No Norte e Nordeste, 18,2% e 16% do lixo são queimados na própria residência. No Sudeste, apenas 0,6% dos lares dão essa destinação ao lixo. A coleta por caçamba também é alta no Norte e Nordeste, 10,2% e 12,1%, respectivamente.

O fornecimento de energia elétrica não mudou, está presente em 99,5% dos lares.

A pesquisa mostrou que 97,2% dos lares possuem água canalizada, porcentual que varia de 92% no Nordeste a 99,8% no Sul. O abastecimento de água ligado à rede geral caiu 0,1 ponto porcentual no último ano. “A queda tem relação com o racionamento no Distrito Federal”, afirma Maria Lúcia. 

Quem são os brasileiros

De acordo com a Pnad, a população brasileira cresceu 4,23% entre 2012 para 2017 (198,7 milhões para 207,1 milhões). A maioria está concentrada na região Sudeste (42%), sendo que a maior parte é mulher (51,6%).

Continua após a publicidade

“Observamos tendência de crescimento da população, mas as mulheres estão tendo menos filhos. Houve aumento da expectativa de vida e os adultos vão tendo mais peso na população. É uma tendência mundial, mas no Brasil isso tem acontecido agora. Na Europa isso já era observado”, diz Maria Lúcia.

Segundo ela, o Estado que possui maior proporção de homens é o Tocantins.

A população de pessoas com mais de 60 anos cresceu de 12,8% para 14,6%. Porém, caiu a quantidade de crianças de zero a nove anos de idade, passando de 14,1% para 12,9% em cinco anos.

Em 2017, 90,4 milhões de pessoas se declararam brancas. O número representa 2,4% a menos do que em 2012 (92,6 milhões). Já as populações preta e parda cresceram 21,8% e 7,7%, respectivamente.

Publicidade