Clique e assine a partir de 8,90/mês

UE vai indenizar produtores rurais afetados por retaliação da Rússia

Medida, que prevê a utilização de até 125 milhões de euros para compensar produtores, ocorreu após a Rússia proibir importações de frutas e hortaliças europeias

Por Da Redação - 18 ago 2014, 14h11

A União Europeia anunciou medidas de apoio para os produtores rurais mais afetados pela decisão da Rússia de retaliar os países do bloco depois das sanções comerciais anunciadas em julho. As medidas, apresentadas pela Comissão Europeia, destinarão recursos do bloco para indenizar produtores por alimentos perecíveis na época de cultivo. A decisão, que tem efeito imediato e ficará em vigor até o fim de novembro, prevê até 125 milhões de euros (167,5 milhões de dólares) para as compensações.

Segundo o comissário da UE para Agricultura e Desenvolvimento Rural, Dacian Ciolo, as ações emergenciais vão “reduzir a oferta geral de uma série de frutas e hortaliças no mercado europeu, à medida que e quando as pressões de preços se tornarem muito grandes nos próximos meses”.​ Os produtos beneficiados pelas medidas incluem tomates, cenouras, pimentas, couve-flor, pepinos, maçãs, peras, frutas silvestres, uvas e kiwis.

Leia também:

União Europeia quer convencer Brasil e Chile a não se aproximarem da Rússia

Exportação de carne bovina do Brasil sobe 8,6% em julho. Rússia é o principal destino

Rússia anuncia aumento de importação de carne do Brasil

O bloqueio das importações pela Rússia, adotada em retaliação a sanções impostas pela UE a Moscou por seu papel na crise ucraniana, gerou críticas de produtores rurais europeus, que afirmam estar arcando uma parte injusta dos custos da política da Europa para a Ucrânia. O gesto dos russos levou à queda dos preços de alguns produtos agrícolas, uma vez que os produtores rurais europeus lutam para encontrar um substituto para seu maior mercado importador fora da UE, estimado em 8,8 bilhões de euros no ano passado. “Agir com rapidez vai oferecer um eficiente suporte ao preço pago aos produtores no mercado interno e ajudar o mercado a se ajustar”, disse Ciolo.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade