Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

UE e Mercosul retomam conversas para acordo comercial

Questão agrícola, porém, é o principal entrave nas negociações

Representantes da União Europeia (UE) e dos países do Mercosul começam nesta domingo, em Bruxelas, uma nova rodada de negociações para conseguir um acordo de associação. Na pauta das conversações, porém, ainda não estão em jogo ofertas comerciais de acesso dos produtos aos diferentes mercados.

A parte normativa do futuro tratado comercial incluído no amplo acordo de associação, ou seja, nas regras que se aplicarão a capítulos como as barreiras técnicas ao comércio, a concorrência e a origem dos produtos, centralizarão o debate, indicaram à agência de notícias EFE fontes europeias.

Durante a sessão de trabalho, que ocorrerá de segunda a sexta-feira, “não se discutirá nenhuma oferta de acesso aos mercados por enquanto”, precisaram as mesmas fontes. Concretamente, afirmaram que não serão abordadas as concessões para produtos específicos, como a carne.

O Mercosul reivindica concessões para aumentar o acesso ao mercado europeu dos envios de produtos agrícolas e de carne. O comitê de organizações agrárias e cooperativas europeias publicou na semana passada um relatório, realizado em vários países da UE, que assegura que a liberação de importações sul-americanas provocaria um “colapso” no setor bovino europeu, a volatilidade dos preços e perdas de 25 bilhões de euros.

A Eurocâmara também aprovou, na semana passada, um relatório no qual considera que as negociações podem implicar concessões agrícolas muito prejudiciais para os produtores europeus. O Parlamento Europeu pediu, além disso, a elaboração de um estudo prévio sobre o impacto antes de concluir as negociações, e lamentou que a Comissão Europeia tenha decidido retomá-las em maio de 2010 após permanecerem estagnadas por vários anos.

Já os países do bloco sul-americano se preocupam com os subsídios agrícolas na Europa, mas a Comissão Europeia já manifestou que se esforçou para limitá-los e afirma que os que estão em vigor constituem uma pequena porção permitida pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

O comissário europeu de Comércio, Karel De Gucht, admitiu em uma recente visita ao Paraguai que as negociações poderiam se prolongar devido aos interesses opostos de ambas as partes, especialmente em setores como o agrícola.

Após a rodada desta semana, os chefes negociadores europeus e sul-americanos fixarão a próxima reunião para a semana de 2 a 6 de maio em Assunção, coincidindo com a presidência do Paraguai do Mercosul (composto também por Brasil, Argentina e Uruguai).

(Com agência EFE)