Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Turismo é afetado pela paralisação dos EUA; confira atrações fechadas

Devido à falta de recursos, governo dispensa 800 mil funcionários e fecha os portões dos principais parques e pontos turísticos do país

Os cancelamentos e atrasos causados ​​nesta quarta-feira pela paralisação do governo federal se espalharam pelos Estados Unidos, arruinando férias de milhares de turistas americanos e estrangeiros. Em 1996, última vez em que uma paralisação de órgãos públicos aconteceu devido a um impasse no Congresso, cerca de sete milhões de turistas deixaram de visitar os parques nacionais dos Estados Unidos.

A paralisação significa que centenas de turistas com ingressos pré-pagos para visitar a Ilha de Alcatraz, a famosa prisão na baía de San Francisco, não puderam fazer o passeio. O mesmo ocorreu para os que tentaram conhecer o complexo de Yosemite, na Califórnia, e o parque Everglades, no sul da Flórida.

Leia também:

Em busca de acordo, Obama se reunirá com líderes do Congresso

Tesouro dos EUA ‘multiplica pães’ para poder economizar recursos

Com o fechamento de diversos setores do governo, cerca de 800 mil funcionários estão dispensados de seus trabalhos e não receberão pagamento, e 400 parques nacionais estão com os portões fechados, incluindo até mesmo a Estátua da Liberdade, em Nova York.

‘Não fechamos’ – George Fertitta, CEO do órgão responsável pelo turismo da cidade de Nova York, NYC & Company, tentou reanimar os viajantes ao soltar um comunicado afirmando que os teatros da Broadway, museus, restaurantes, lojas e muitos outros pontos turísticos estão abertos. Alguns museus divulgaram em seus sites que permanecerão abertos durante a paralisação, como é o caso do Spy Museum e o Newseum, em Washington.

A Embaixada Americana também divulgou uma nota afirmando que continuará com seus serviços normalmente nos países onde o órgão está presente. “Os serviços consulares, incluindo o processamento de vistos e serviços oferecidos aos cidadãos americanos, continuarão funcionando no horário comercial de acordo com nosso calendário normal de operação”, informa a nota.

Leia também:

Casa Branca rejeita proposta republicana de ‘flexibilizar’ paralisação

Senado americano rejeita pedido republicano de diálogo