Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Trump e Powell se encontraram na Casa Branca para discutir economia

Segundo presidente dos EUA, forte crítico do comandante do BC dos EUA, conversa foi cordial; FED afirma que encontro não tratou de futuros cortes nos juros

Por Reuters - 18 nov 2019, 15h55

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o comandante do Federal Reserve (FED, banco central dos EUA), Jerome Powell, se encontraram nesta segunda-feira, 18, para discutir os rumos na economia do país. Essa foi a segunda vez que eles se reuniram desde que fevereiro de 2018, quando Powell assumiu o posto. O Fed anunciou a reunião em um comunicado à imprensa, e Trump, no Twitter, chamou a conversa de “boa e cordial”, um contraste em relação a declarações anteriores que incluíram chamar as autoridades do banco central dos EUA de “idiotas” por não reduzirem a taxa de juros e rotular Powell como um inimigo dos Estados Unidos, em pé de igualdade com o líder chinês Xi Jinping.

“Tudo foi discutido, incluindo taxas de juros, juros negativos, inflação baixa, afrouxamento, força do dólar e seu efeito sobre a indústria, o comércio com a China, UE e outros, etc”, disse Trump em post no Twitter.

O Fed, em seu comunicado, teve o cuidado de observar o que não foi discutido: as expectativas de Powell para a política monetária futura. Por mais de um ano, Trump acusa o Fed de minar suas políticas econômicas, mantendo, em sua opinião, taxas de juros muito altas e privando os Estados Unidos do que Trump considera serem os benefícios das taxas de juros negativas, adotadas pelos bancos centrais da Europa e do Japão.

Powell “não discutiu suas expectativas em relação à política monetária, exceto para enfatizar que a trajetória dependerá inteiramente das informações recebidas relacionadas às perspectivas da economia”, afirmou o comunicado.

“O chair Powell disse que ele e seus colegas do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) definirão a política monetária, conforme exigido por lei, para sustentar o emprego máximo e preços estáveis, e tomarão essas decisões baseados apenas em análises cuidadosas, objetivas e não políticas”.

 

Publicidade