Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Trump bane transações financeiras com Alipay e outros apps chineses

Segundo o republicano, aplicações podem roubar dados dos americanos; ordem entra em vigor no mandato de Joe Biden

Por da Redação Atualizado em 7 jan 2021, 15h04 - Publicado em 6 jan 2021, 09h39

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma ordem executiva proibindo transações com oito aplicativos chineses, incluindo a plataforma de pagamento Alipay, de propriedade do bilionário chinês Jack Ma, dono do Ant Group, e aplicativos da gigante chinesa de tecnologia Tencent. O decreto, assinado na terça-feira, 5, entra em vigor em 45 dias, ou seja, após Trump sair do cargo e o democrata Joe Biden ter assumido a presidência. 

Na ordem executiva, Trump alega que os aplicativos podem acessar informações privadas de seus usuários e poderiam ser usado pelo governo chinês para “rastrear a localização de funcionários federais e contratados e construir dossiês de informações pessoais”. 

Não é a primeira vez que Trump assina ordem para banir aplicativos chineses, intensificando a tensão entre as duas potências comerciais. Em agosto, o TikTok e o WeChat, o super app chinês, passaram por situações semelhantes, mas as ordens foram bloqueadas por tribunais americanos, o que indica que esta nova ordem pode enfrentar desafios jurídicos semelhantes, além da oposição de gigantes americanas que fazem negócios com empresas chinesas, como Apple, Walmart, Disney, que se opuseram em situações anteriores.

 

A decisão de Trump atribui ao Departamento de Comércio a definição de quais transações serão proibidas e tem como alvo o QQ Wallet da Tencent e o aplicativo de pagamentos do WeChat. Também serão afetados os apps CamScanner, SHAREit, VMate e WPS Office. Segundo o secretário de Comércio, Wilbur Ross, seu departamento está instruído a cumprir o pedido do presidente. “Eu defendo o compromisso do presidente Trump em proteger a privacidade e a segurança dos americanos contra as ameaças do Partido Comunista Chinês”, escreveu ele, em suas redes sociais.

Desde que assumiu a presidência, em janeiro de 2017, Trump travou uma verdadeira batalha comercial com a China alegando práticas desleais do país asiático. Durante o seu mandato, o republicano impôs tarifas sobre as importações da China e realizou uma campanha agressiva contra empresas de tecnologia chinesas, medidas que muitas vezes provocaram críticas e retaliações vindas de Pequim, em uma cruzada com impactos mundiais. É um desafio e tanto para Biden, que assume a Casa Branca no próximo dia 20 com diversos passivos deixados por Trump. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)