Clique e assine a partir de 9,90/mês

Trump afirma que destinará recursos a setor de petróleo e gás

No dia seguinte ao colapso das cotações nos Estados Unidos, o presidente afirmou, pelo Twitter, que empresas terão acesso a fundos destinados à Covid-19

Por Victor Irajá - Atualizado em 21 Apr 2020, 13h21 - Publicado em 21 Apr 2020, 12h52

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou pelo Twitter nesta terça-feira, 21, que deliberou junto ao aos secretários do Tesouro, Steven Mnuchin, e de Energia, Dan Brouillette, para delinear um plano de ajuda financeira às companhias americanas de petróleo e gás e, ao fim da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), permitir a manutenção de empregos e a sobrevivência das empresas. “Eu instruí os secretários de Energia e a Secretaria do Tesouro para formular um plano que irá disponibilizar fundos para que essas empresas e empregos muito importantes sejam assegurados por muito tempo”, escreveu o mandatário americano no microblog. O anúncio de Trump ocorre no dia seguinte ao descalabro mundial das cotações do preço do óleo. Na segunda-feira 20, o preço do barril do tipo WTI (West Texas Intermediate) no mercado futuro, referência no mercado americano, entrou em colapso e foi negociado a -37,63 dólares — a primeira vez na história que o preço fechou negativo.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine

Consultorias norte-americanas estimam que a queda de demanda global por petróleo por causa da pandemia e as disputas envolvendo os principais países produtores custaram até 51.000 empregos em março no país. Os cortes em petrolíferas e distribuidores pode atingir até 30% da mão-de-obra empenhada no setor. No último dia 27 de março, Trump assinou um decreto que autoriza as empresas do setor a acessar os fundos destinados à sobrevivência de empresas, empenhado para o combate ao desemprego anunciado pela paralisação das atividades, de 2,2 trilhões de dólares. Brouillette, se reunirá na terça-feira com os líderes da Câmara dos Deputados para discutir a expansão do armazenamento de petróleo de emergência. O plano envolve comprar petróleo bruto e armazenar até 1 bilhão de barris para o estoque de emergência dos Estados Unidos. O Departamento de Energia elaborou um plano para compensar as perdas de empresas de petróleo reservas de petróleo inexploradas, com o compromisso de entrega apenas depois de passada a crise.

Após o colapso histórico do preço negativo do barril nos Estados Unidos na segunda-feira, o petróleo enfrenta um novo dia de desafios, desta vez no mercado londrino. O preço do barril do tipo Brent, negociado na bolsa de Londres e referência para a Petrobras e os negócios no Brasil, chegou a ser negociado abaixo dos 20 dólares — o que não ocorria desde 2001. Nesta terça, o WTI tenta uma recuperação, mas ainda com preços baixíssimos. O barril do contrato de maio está sendo negociado a 1,41 dólar e por vezes voltou ao campo negativo. A ampliação do choque dos preços para os contratos futuros que não estão perto do vencimento sublinhou a gravidade da crise no mercado de petróleo. Tanques de armazenamento, oleodutos e navios-tanque estão sendo rapidamente sobrecarregados por um grande excesso de oferta causado pela queda na demanda de combustível.

Publicidade