Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Transações comerciais entre Brasil e Argentina recuaram em janeiro

Compras de produtos brasileiros por argentinos caíram 13,7% no mês; já o Brasil comprou 23,1%

Os dados da balança comercial de janeiro apresentados nesta segunda-feira pelo Ministério de Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (Mdic) mostram que as transações comerciais entre Brasil e Argentina recuaram no primeiro mês do ano. As exportações para o país vizinho registraram uma queda de 13,7% em relação a janeiro de 2013 – levando em conta a média diária de exportações e importações. Já as compras brasileiras diminuíram 23,1% no período.

De acordo com o Mdic, a queda nas vendas para o país vizinho acompanha um recuo visto em todo o Mercosul (bloco formado por Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela), de 6,2% no primeiro mês do ano.

O Ministério explica que a diminuição das exportações ocorreu devido à redução nas vendas de produtos como inseticidas, semimanufaturados de ferro/aço, óleos combustíveis, laminados planos, motores para veículos, minério de ferro, autopeças, polímeros plásticos, bombas e compressores, automóveis de passageiros e veículos de carga.

O Brasil, por sua parte, também reduziu suas compras tanto do Mercosul como da própria Argentina em janeiro (queda de 18,1% e 23,1%, respectivamente). Segundo o Mdic, os produtos cujas compras brasileiras recuaram foram gás, trigo em grão, petróleo em bruto, farinha de trigo, fio-máquina de ferro/aço, automóveis de passageiros e partes, veículos de carga, alho, ônibus e produtos de perfumaria.

Leia ainda:

Argentina limita compra de dólares a 20% da renda

Balança comercial inicia o ano no vermelho: déficit recorde de US$ 4 bi

Para órgãos latino-americanos, ajuste cambial na Argentina não surpreende

Apesar da queda, o país vizinho continua sendo o 3º maior parceiro comercial do Brasil. Dos cerca de 16 bilhões de dólares em exportações saídas do país, 1,2 bilhão (ou 7,5%) tiveram como destino a Argentina.

Na coletiva de divulgação dos dados, o secretário de Comércio Exterior, Daniel Godinho, disse que as exportações de automóveis para o país vizinho tiveram queda de 15% em janeiro. Contudo, Godinho acredita que ainda é muito cedo para avaliar se a retração das exportações de automóveis já reflete os problemas econômicos que se agravaram no país na última semana, com efeitos diretos no câmbio.

A queda nas exportações brasilerias para a Argentina tem se mostrado uma tendência desde outubro de 2013. Daquele mês até janeiro houve um recuo de 33,75% nas vendas para o país vizinho. Em igual período, contudo, as importações oscilaram entre quedas e altas mensais, mas ainda assim acumulam recuo de 29,7%.

Cenário – O período de queda nas relações comerciais coincide com a piora da situação cambial. De outubro de 2013 até janeiro deste ano, a moeda argentina teve queda de 27,91%.

O movimento de desvalorização se intensificou, contudo, entre dezembro e janeiro. Apenas na última semana do mês passado, a queda do peso frente ao dólar foi de 17%. Esse cenário acontece apesar das iniciativas do governo, desde 2011, de restringir a compra de dólares para impedir a desvalorização do peso e, consequentemente, a explosão dos preços em seu país.

A Argentina enfrenta um cenário de alta volatilidade do câmbio e descontrole inflacionário, que vêm fragilizando ainda mais a economia do país. Acredita-se que a inflação real tenha fechado 2013 próximo a 30%, embora estatísticas oficiais apontem para um indicador bem menor, de apenas 10,9%.

Leia também:

Inflação oficial da Argentina fecha 2013 em 10,9%

Argentina queima reservas e fecha semana com dólar estável