Clique e assine com até 92% de desconto

Toyota lança o híbrido Prius no Brasil, mas vendas começam só em 2012

Segmento ainda tem vendas tímidas no país, mas montadoras devem continuar investindo na importação destes veículos como estratégia de marketing

Por Beatriz Ferrari 5 out 2011, 12h00

O ainda incipiente mercado nacional de carros híbridos – que combinam a propulsão de um motor a combustão com outro movido à eletricidade (veja quadro) – receberá mais um competidor. A montadora japonesa Toyota anunciou nesta quarta-feira em Alagoas que começará a comercializar no país em 2012 um ícone deste segmento: o Prius. Trata-se do híbrido de maior sucesso da história, com mais de 2,3 milhões de unidades vendidas em todo o mundo.

Segundo a empresa, as vendas devem começar no segundo semestre do ano que vem. Com o lançamento do Prius, a Toyota promete trazer para o país a aura inovadora e “verde” que o veículo lhe rendeu lá fora.

infografia sobre peças do híbrido Prius, da Toyota
infografia sobre peças do híbrido Prius, da Toyota VEJA

O Prius, lançado em 1997, até hoje lidera as vendas no segmento no mundo. Em seus 14 anos de existência, é um benchmark ainda a ser batido. “O Prius sofreu nos primeiros seis anos até se estabelecer. Para tanto, foi ajudado por incentivos fiscais nos Estados Unidos e depois na Europa. Depois de um tempo, no entanto, provou que é um carro resistente e de qualidade. Por isso ele é um ícone”, avalia David Wuong, diretor da consultoria Kaiser.

O segmento de veículos híbridos, que existe nos Estados Unidos há mais de uma década, ainda não estourou por aqui. O Fusion híbrido, da Ford, por exemplo, tinha vendido desde seu lançamento no Brasil, no fim no ano passado, até julho apenas dez unidades, pelo preço de 133.900 reais.

Preço alto – O Prius, aliás, deve estrear numa faixa de preço similar, entre 100.000 reais e 130.000 reais, ainda sem incentivos fiscais – que estão sendo negociados com o governo.

A expectativa dos japoneses é vender entre 50 e 100 unidades por mês, o que equivale a apenas 0,034% de todos os automóveis e veículos comerciais leves comercializados em setembro. Com uma performance comercial tão modesta, a aposta dos especialistas é que as montadoras estejam trazendo híbridos para o mercado nacional muito mais como um investimento em imagem do que por seu resultado de vendas.

Marketing – Uma das razões apontadas para esta conclusão é a forma como o veículo será lançado pela Toyota no Brasil. Junto com a chegada do Prius, a montadora fará o anúncio concomitante de um projeto de apoio à Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais, em Alagoas. Além disso, a introdução do veículo no Brasil se dará em três fases. Num primeiro momento, a montadora emprestará modelos a jornalistas da imprensa especializada e celebridades. O objetivo é difundir o máximo possível de informação sobre a tecnologia híbrida. Em seguida, a empresa avaliará a aceitação do produto e o que deve ser adaptado. Só então, as unidades começarão a ser comercializadas. “A vinda do híbrido para o Brasil tem muito mais um sentido institucional do que de ganhar mercado. A intenção é colocar a Toyota como uma marca inovadora e sustentável e fazer com que o público comece a entender a tecnologia”, explica Luiz Carlos Mello, diretor do Centro de Estudos Automotivos.

Funcionamento – O Prius a ser inserido pela Toyota no país tem design de terceira geração. Funciona com dois motores, um elétrico e outro à combustão. A energia proveniente da desaceleração, que seria dissipada em forma de calor, é aproveitada para alimentar o motor elétrico. O condutor pode escolher quatro modos de direção: normal, em que o sistema escolhe entre os dois motores de forma automática; o EV, em que o veículo funciona no modo 100% elétrico; o ECO, em que o veículo calibra a resposta de aceleração de modo a economizar combustível; e o PWR, em que o veículo intensifica a resposta à aceleração em até 25% para otimizar o desempenho. A partida dispensa chave de ignição e pode ser feita acionando o botão Power, no painel.

Continua após a publicidade
Publicidade