Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

TIM teria quedas acima da meta, diz Anatel

Superintendente de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, evita acusar a empresa de derrubar ligações dos planos Infinity de propósito

O superintendente de Serviços Privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Bruno Ramos, afirmou nesta terça-feira haver indícios de que a TIM estaria com índices de queda de chamadas superiores às metas estipuladas pela agência. Segundo ele, até o momento, não é possível afirmar que a empresa teria derrubado as ligações de forma proposital.

O jornal Folha de S.Paulo desta terça trouxe reportagem sobre um estudo do órgão regulador, entregue ao Ministério Público do Paraná, que afirma que a empresa derruba de propósito as ligações de clientes do plano Infinity, cuja cobrança é feita por chamada, e não por minutos.

Leia mais:

TIM contesta relatório da Anatel que acusa empresa de derrubar sinal

TIM derruba ligações de propósito, diz jornal

TIM pode ter vendas suspensas no Paraná nesta 4ª feira

MP do Paraná também investigará Claro, Vivo e Oi

“Fizemos um índice de queda para todas as empresas. O que nós temos é um indício de queda de chamada (na TIM) superior à meta da Anatel. Mas ainda é preciso dar direito de resposta à empresa”, afirmou Ramos, na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara, onde o presidente da Anatel, João Rezende, e o vice-presidente, Jarbas Valente, participam de audiência pública.

“Isso pode acontecer por vários motivos, como congestionamento de rede e outros problemas de infraestrutura. Agora que estamos vendo exatamente como foi isso. Esse indício precisa ser averiguado”, afirmou. “Preciso saber se realmente aconteceu. Não temos posição se ocorreu determinada conduta ainda”, acrescentou.

Segundo Ramos, o processo administrativo tem âmbito nacional e ainda está em fase de instrução. A empresa terá o direito à defesa. “O que verificamos foi nos planos gerais da TIM. Esse quadro apurado pela Anatel é nacional. O documento foi encaminhado ao Ministério Público e faz parte de um levantamento que começamos em 2010, com o lançamento do plano Infinity”, explicou.

(com Agência Estado)