Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Tesouro Nacional emitirá Títulos Públicos no mercado global

Instrumento será usado para desviar dos altos juros cobrados devido ao risco fiscal; no caso dos papéis, a desvalorização do real beneficiará o Brasil

Por Luisa Purchio Atualizado em 2 dez 2020, 14h35 - Publicado em 2 dez 2020, 14h34

Com o risco fiscal do país crescente e a falta de perspectiva de tomada de fôlego das contas públicas por meio de reformas econômicas, o Tesouro Nacional arranjou uma saída para contornar as altas taxas de juros longos do país. Nesta quarta-feira, 2, o Ministério da Economia anunciou a emissão de títulos em dólares no mercado internacional.

Serão realizadas reaberturas de títulos de 5 anos, com vencimento em 2025, de 10 anos, com vencimento em 2030, e de 30 anos, com vencimento em 2050, em operação liderada pelos bancos Citibank, Santander e ScotiaBank. “A percepção de risco do Brasil lá fora é menor que a percepção de risco local, porque eles têm um prêmio menor que o exigido aqui dentro. Além disso, o governo está se aproveitando da desvalorização ainda elevada do real”, diz Thomás Gibertoni, analista da Portofino Investimentos.

Mesmo que após a eleição de Joe Biden nos EUA o dólar esteja caindo no mercado internacional, no acumulado do ano a moeda brasileira passou a valer 23% menos em relação à americana. Por isso, a emissão da dívida em dólar deve render ganhos adicionais para o Tesouro. “Uma crítica que pode ser feita é que você começa a ter uma dívida dolarizada, mas como a gente tem uma reserva elevada, ela funciona como um hedge cambial dessa contração de dívida que você faz lá fora. Isso é bom, emite dívida em dólar, paga menos que pagaria na emissão local e ainda se aproveita de uma desvalorização relevante da moeda”, diz Gibertoni. Em outubro, o Brasil possuía 342 bilhões de dólares em reservas em dólar.

A prática de emitir bonds no mercado internacional tornou-se uma tendência global por conta da diferença na percepção de risco entre os mercados nacionais e internacionais. O Peru, por exemplo, fez esse ano emissões em mais de 150 bilhões de dólares em títulos que ficaram conhecidos como “coronavírus bonds” para financiar os gastos com a Covid-19. Na semana passada, foi a vez da China emitir os primeiros bonds com juros negativos, que atraiu pedidos em cerca de 16 bilhões de euros por 4 bilhões de euro em títulos ofertados.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)