Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tesouro garantiu US$ 647 milhões de dívida dos Estados

Dado referente ao primeiro quadrimestre mostra a dimensão do processo de concessão de aval da União para governadores e prefeitos em meio à crise fiscal

Num cenário de crise fiscal, o Tesouro Nacional concedeu, no primeiro quadrimestre deste ano, garantia para empréstimos de 647,90 milhões de dólares feitos por Estados e municípios no mercado externo. O aval para financiamentos dos governos regionais tomados no sistema financeiro nacional somou 1,24 bilhão de dólares – a maior parte destinada a investimentos em linhas do metrô de São Paulo e Rio de Janeiro. Os dados fazem parte do balanço do Tesouro e mostram a dimensão do processo de concessão de aval da União para governadores e prefeitos.

A procura de informações dos investidores sobre as garantias da União cresceu após o calote dado pelo Estado do Rio de Janeiro a empréstimos externos. Outros Estados ameaçam também não honrar compromissos feitos com aval da União.

Pelos dados do Tesouro, o Piauí foi o maior beneficiado pelas garantias externas do Tesouro dadas nos primeiros quatro meses em duas operações que somaram 320 milhões de dólares. O Acre teve a União como avalista em empréstimo de 150 milhões de dólares. Em todo o ano passado, as garantias externas somaram apenas 225 milhões de dólares.

Os empréstimos no mercado brasileiro foram concedidos pela Caixa, BNDES e Banco do Brasil para Rio, São Paulo e o município de Fortaleza. O valor das garantias dadas aos Estados, de 1,13 bilhão de reais, já é o dobro dos avais concedidos em 2015, quando somaram 567,79 milhões de reais.

Leia também:

Anatel fará consulta pública sobre limite de banda larga

Governo fará ‘dança das cadeiras’ em órgãos internacionais

Com os contratos assinados este ano, o Tesouro acumula 40,5 bilhões de reais em garantias aos governos estaduais e municipais de 2004 a 2016 para empréstimos no mercado internacional. Boa parte do valor é resultado da política do governo Dilma Rousseff de conceder estímulos aos Estados, entre 2012 e 2014, para acelerar o crescimento da economia nacional.

(Com Estadão Conteúdo)