Clique e assine a partir de 9,90/mês

Tesouro Direto ganha novos adeptos com baixo rendimento da poupança

Investimento bateu recordes de vendas e de cadastros em março e abril deste ano; programa rende mais que a poupança em época de juros elevados

Por Da Redação - 25 May 2015, 13h04

Em um período de juros elevados e de baixo rendimento da poupança, o Tesouro Direto tem batido recordes de vendas e de cadastro de novos investidores, informa reportagem do jornal Folha de S. Paulo publicada nesta segunda-feira. As vendas atingiram em março o valor inédito de 1 bilhão de reais. Dados parciais para maio mostram que esse recorde já foi superado. Em março e abril, cerca de 24.000 novos investidores foram cadastrados, outra marca inédita.

Os principais fatores que têm beneficiado esse tipo de aplicação são a saída de recursos da poupança e a alta na taxa básica de juros, que está em 13,25% atualmente. De acordo com o Tesouro, mesmo após o desconto de taxas operacionais e impostos, os títulos garantem atualmente um retorno acima de 10% ao ano. A poupança, por sua vez, rende entre 6% e 7%.

“Embora a poupança goze de benefício fiscal de não haver cobrança de Imposto de Renda, os retornos do Tesouro Direto são significativamente superiores”, afirmou a instituição em sua página na internet.

Outro fator responsável pelo crescimento da adesão ao investimento é a sua repaginação na internet. “Fizemos um site mais didático e usamos mais as redes sociais, com vídeos educativos. A ideia é se aproximar cada vez mais do pequeno investidor”, diz David Rebelo Athayde, analista do Tesouro Nacional.

Continua após a publicidade

Leia também:

Sem ajuda do Tesouro, BNDES quer captar R$ 15 bi no mercado financeiro

A poupança secou

(Da redação)

Publicidade