Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Térmicas poderão acarretar alta de até 5% na conta de luz, diz Anace

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Consumidores de Energia, os custos repassados ao consumidor serão bem maiores do que diz o governo

O presidente da Associação Nacional dos Consumidores de Energia (Anace), Carlos Faria, disse ao site de VEJA que o repasse ao consumidor da conta adicional para o ligamento das térmicas pode ser de até 5%, segundo cálculos da própria associação. A projeção se baseia no fato de que o Brasil já está no período chuvoso e os níveis dos reservatórios continuam caindo, mesmo com as térmicas ligadas.

“Se de outubro a janeiro já gastamos 2 bilhões de reais com as térmicas e a cada mês são 500 milhões de reais a mais que o consumidor tem de pagar, se ficarmos com elas o ano todo ligadas, já que dificilmente conseguiríamos enfrentar o período seco sem elas, podemos chegar a um aumento de 5% na conta de luz”, afirmou Faria.

O aumento da conta não seria brusca porque cada distribuidora só irá repassar para o consumidor o aumento de gastos que teve com o ligamento das térmicas quando fizer seu reajuste anual, data que varia de empresa para empresa.

A projeção da Anace é superior à que o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, deu na noite de terça-feira. Ele afirmou que o aumento seria de 1%, enquanto o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) citou altas de 2% a 3% ao ano. Para essa estimativa, o governo acredita que as chuvas virão em janeiro, o que o próprio ONS, em seu boletim deste mês, não se mostra tão otimista: o índice ENA (Energia Natural Afluente), que mede a expectativa de chuvas a caírem nas cabeceiras dos reservatórios, com base na média histórica, mostra que é esperado para o Sudeste, em janeiro, um nível de chuvas equivalente a 72% da média histórica, que seria 100%; para o Nordeste, o ENA está em 31%; para o Norte, 57%; e para o Sul, 127%. Apesar do volume de chuvas nas cabeceiras no sul ser significativo, a região responde por apenas 7% da capacidade de armazenamento total do país – o Sudeste é o principal, respondendo por 70%.

Leia também:

Crise de energia pode reduzir expansão do PIB em 2013

Governo faz ‘dança da chuva’ contra racionamento

Lobão diz que não haverá desabastecimento

“O consumidor será penalizado certamente. Em fevereiro teremos o desconto prometido pela presidente, mas o consumidor terá sim de pagar pela geração térmicas. As distribuidoras vão repassar”, disse o presidente da Anace. Para Faria, o risco de racionamento para este ano está descartado porque as térmicas deverão dar conta da demanda. Mas, para 2014, se a hidrologia continuar abaixo da média e as usinas que forem planejadas acabarem não saindo do papel, Faria acredita que há grandes chances de racionamento de energia.

“O governo precisa ser transparente com o consumidor, precisa contar o que está acontecendo”, afirmou. “O governo erra quando não diz para o consumidor que não podemos gastar mais. É da natureza do ser humano querer usar mais energia se sabe que a conta vai baixar. Temos de usar com consciência para evitar o racionamento”, acrescentou o presidente. Segundo Faria, será preciso que a indústria seja alertada também sobre o risco do consumo exacerbado, para que já comece a reprogramar suas carteiras de pedidos e entregas.

Faria lembra ainda o Brasil mudou sua política de armazenamento de água, com os reservatórios das usinas ficando cada vez menores, a fio d’água, ou, em alguns casos, até inexistentes. Ele explica que os impedimentos ambientais para a construção de reservatórios caixa d’água, que armazenam muito mais água das chuvas do que os a fio d’água, levaram o Brasil a diminuir sua capacidade de armazenamento a, no máximo, quatro meses. Há dez anos ela era de até 12 meses sem necessidade de chuvas. “O governo precisa convocar a sociedade para discutir se queremos preservar nossa vocação de matriz renovável, com hidrelétricas e, a partir disso, repensar os reservatórios”, ressalta.