Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Temer pede análise do TCU sobre crédito para Estados

Cresce a pressão de governadores sobre o presidente interino pela liberação de verbas após a ajuda emergencial de 2,9 bilhões de reais ao governo do Rio

Por Da Redação 5 jul 2016, 09h15

Pressionado para que libere recursos a Estados depois que concedeu 2,9 bilhões de reais para o Rio de Janeiro resolver problemas emergenciais, o presidente em exercício Michel Temer pediu ao Tribunal de Contas da União (TCU) que avalie a possibilidade de novas concessões de crédito a outros governadores.

Em reunião nesta tarde no Palácio do Planalto, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), apresentou um estudo sobre a situação da seca no Estado e pediu verbas para a conclusão de obras da transposição do Rio São Francisco.

Na semana passada, governadores das regiões Nordeste e Norte já haviam enviado carta ao presidente, na qual solicitavam a liberação de recursos extras. Camilo Santana foi um dos signatários do documento.

De acordo com uma fonte, Temer disse que está analisando os pedidos. “Não prometeu nada”, disse. Segundo essa fonte, o peemedebista está fazendo consulta ao TCU para decidir se edita alguma MP que libere créditos aos governos regionais. Ele não chegou a mencionar o montante avaliado nem os Estados que poderiam ser beneficiados caso a decisão seja tomada.

Leia mais:

Meta fiscal para 2017 não descarta aumento de imposto

Na última quinta-feira, o governo publicou uma MP para liberar crédito extraordinário de 2,9 bilhões de reais de auxílio financeiro ao Rio de Janeiro. O dinheiro será usado pelo Estado para garantir a segurança dos Jogos Olímpicos na cidade do Rio. O governo defende que a ajuda é emergencial e excepcional.

Rapidamente, foi iniciada uma onda de reclamações de governadores, que argumentam que suas contas também estão em situação crítica. Na carta ao presidente, os governadores reivindicaram um repasse de 8 bilhões de reais ainda neste ano para compensar a queda das transferências do Fundo de Participação dos Estados desde 2011, em decorrência da política de renúncia fiscal da presidente afastada Dilma Rousseff.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês