Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Temer cria cota de 30% para negros em vagas de estágio e aprendiz

Mudança será aplicada na administração pública, autarquias, fundações públicas e sociedades de economia mista controladas pela União

Por Redação - 28 jun 2018, 15h15

O presidente Michel Temer assinou nesta quinta-feira, 28, decreto que reserva 30% das vagas em processos de seleção de estágio e na contratação de jovens aprendizes no serviço público para estudantes negros. De acordo com o Ministério dos Direitos Humanos, a proposta é aplicar a mudança na administração pública, autarquias, fundações públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União.

O ministério diz que a ação terá como impacto imediato o acolhimento da reivindicação de educação, saúde e trabalho movida pelo movimento social negro ao estado brasileiro e a superação das desigualdades étnico-raciais.

“No trabalho, esse é um avanço de repercussão muito significativa, pois vai atingir o jovem no seu primeiro emprego, posicionando os negros em condição de igualdade”, comemora o Ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha.

Poderão concorrer às vagas reservadas, candidatos negros  que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição na seleção de estágio, conforme o quesito cor ou raça utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Publicidade

“Na prática, este jovem deixará de ser apenas sujeito de direitos para ser o protagonista de sua história, no que se refere a enfrentamento ao racismo e exercício da cidadania. Além é claro, do impacto econômico positivo que a entrada desses jovens negros e negras no mercado de trabalho vai causar na economia brasileira”, destaca o secretário nacional de políticas de promoção da igualdade racial, Juvenal Araújo.

Publicidade