Clique e assine a partir de 9,90/mês

Telefônica vai cortar 1 mil empregos no Brasil, diz sindicato

Após anunciar corte de custos com infraestrutura, empresa planeja reduzir equipe de funcionários em todo o país; inicialmente foi aberto um programa de demissão voluntária

Por Da Redação - 6 mar 2013, 11h55

A Telefônica Brasil, que tem operações em telefonia fixa, celular, banda larga e TV por assinatura, abriu um programa de demissão voluntária (PDV) nesta semana para reduzir seu quadro de pessoal em cerca de 1 mil funcionários no Brasil, informou o Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações no Estado de São Paulo nesta quarta-feira. Haverá, também, o fechamento de 500 vagas que estavam abertas em todo o país.

A Telefônica, dona da marca Vivo, informou, por meio de nota divulgada nesta quarta-feira, que está conduzindo uma reorganização administrativa na companhia, o que inclui redefinições na estrutura organizacional e ajuste no quadro de colaboradores. A reestruturação afetará, especialmente, os Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Em comunicado, a companhia diz que “o programa inclui pagamento de indenização proporcional ao tempo de serviço de meio salário por ano trabalhado, limitado a dez salários, extensão do plano de saúde por seis meses e apoio especializado para a transição de carreira”.

A planejada redução de pessoal, se confirmada, ocorrerá em um momento em que a companhia está cortando custos com infraestrutura, com estratégia que inclui venda de torres de telecomunicações. Na terça-feira, a empresa anunciou acordo com a operadora Claro para um plano de compartilhamento de rede voltado à telefonia celular de quarta geração (4G).

Continua após a publicidade

No fim de fevereiro, a companhia divulgou que teve lucro de 1,474 bilhão de reais no quarto trimestre, resultado acima do esperado por analistas.

Leia também:

Anatel multa Telefonica e Oi em R$ 8,5 milhões

Telefonica cortará 10% do quadro de funcionários na República Checa

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Publicidade