Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Taxas de fundos para varejo caem em maio, vê Anbima

Por Da Redação
5 jul 2012, 13h33

Por Altamiro Silva Júnior

São Paulo – As taxas de administração dos fundos de investimento caíram em maio, de acordo com levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). A redução ocorreu, sobretudo, nos fundos DI e renda fixa voltados para o varejo, com baixa aplicação inicial.

Para fundos DI com aplicação mínima menor que R$ 1 mil, a taxa média caiu de 3,42% ao ano em abril para 3,33% em maio. Entre R$ 1 mil e R$ 10 mil, as taxas diminuíram de 2,01% para 1,84% no mesmo período.

Nos fundos DI para grandes investidores, que exigem investimento inicial maior, as taxas subiram. Para investimento inicial entre R$ 200 mil e R$ 500 mil, a taxa média avançou de 0,61% para 0,66%. Na média geral da categoria DI, a taxa de administração fechou maio em 1,28%, ante 1,29% em abril e 1,32% em maio do ano passado.

Nos fundos de renda fixa, ocorreu queda semelhante. Para as carteiras com aplicação inicial abaixo de R$ 1 mil, por exemplo, a taxa média caiu de 2,81% ao ano para 2,65%.

Continua após a publicidade

A Anbima destaca que em maio, seis fundos DI e três fundos de renda fixa registraram queda nas taxas de administração. No mesmo período, nove DIs e 15 fundos de renda fixa tiveram a aplicação mínima reduzida. Como muitos cortes feitos pelos bancos em maio começaram a valer a partir de junho, a Anbima prevê nova redução das taxas no mês passado.

A redução das taxas e da aplicação inicial nos fundos foi uma forma encontrada pelas gestoras de recursos para não perder aplicadores para a poupança, em meio à queda da Selic. Como a poupança não tem taxa de administração nem Imposto de Renda passou a render mais que fundos com taxas elevadas.

Esse movimento no setor de fundos começou com a Caixa Econômica Federal, que baixou as taxas de administração e ainda cortou a aplicação inicial para R$ 10 em algumas carteiras. Em seguida, o Banco do Brasil diminuiu a aplicação inicial em dois fundos de renda fixa para R$ 1. O movimento dos bancos públicos foi acompanhado por instituições privadas, como Bradesco e Santander.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.