Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Subsídio a voo regional vai custar até R$ 1 bi por ano

Segundo ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, dinheiro sairá do fundocom recursos das concessão de aeroportosno ano passado

Por Da Redação - 24 jan 2013, 09h35

O governo federal vai gastar até 1 bilhão de reais por ano com subsídios diretos às companhias aéreas para permitir voos a pequenos aeroportos regionais. Esse dinheiro, afirmou o ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Wagner Bittencourt, sairá do fundo formado principalmente com recursos obtidos com a concessão de grandes aeroportos à iniciativa privada no ano passado.

O governo vai pagar 50% das passagens em até 60 assentos para aeronaves que operarem nesses aeroportos. O fortalecimento da aviação regional é a grande aposta do governo para aumentar a competição entre as companhias e evitar abusos de preços. Os subsídios devem tornar comercialmente viáveis os voos até esses terminais.

Leia também:

Demanda por voos é a maior desde 2000; oferta despenca

Publicidade

Governo quer mais 70 aeroportos regionais

Além disso, as companhias regionais terão maior acesso ao aeroporto de Congonhas (SP), hoje muito concentrado nas grandes empresas, como TAM e Gol. O terminal movimenta atualmente quase 17 milhões de passageiros. A ideia é redistribuir os horários de pouso e decolagem (slots), levando em conta a pontualidade e a necessidade de abrir espaço para outras companhias. “Isso vai aumentar a competitividade e melhorar a qualidade”, avalia o ministro. E, com mais competição, haverá menos espaço para abuso em preços.

Há um mês, a presidente Dilma Rousseff lançou um pacote de medidas para alavancar o setor aeroportuário, com investimentos de R$ 7,3 bilhões para reforma e melhoria de 270 aeroportos regionais. As obras serão incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade