Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

STF julga nesta quarta mudança de cálculo da dívida dos Estados

Tribunal decidirá sobre o mérito de pedidos de Estados para o uso de juros simples ao invés de compostos no cálculo de suas dívidas com a União

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar nesta quarta-feira o mérito de pedidos de Estados para o uso de juros simples ao invés de compostos no cálculo de suas dívidas com a União. A mudança poderá impactar os cofres federais em centenas de bilhões de reais. Apesar da expectativa, o julgamento pode ser adiado em função de um pedido de vista, como já admitiu o ministro Luiz Fux, informou a coluna Radar On-line.

Governadores entraram no Supremo para alterar a correção das dívidas ao enxergar brechas na regulamentação da lei complementar 148, que trocou o indexador das dívidas por IPCA mais 4% ao ano ou pela Selic, o que for menor, no lugar de IGP-DI mais juros de 6% a 9% ao ano.

Os Estados argumentam que a regulamentação, feita em decreto no fim de 2015, acabou penalizando-os, pois houve aumento no estoque da dívida num momento em que sofrem com baixa arrecadação em função da recessão econômica. Também apontam que não há no texto menção direta ao cálculo com juros compostos, mas apenas a juros acumulados.

O Ministério da Fazenda defende que todos os contratos financeiros são balizados por juros compostos, e que somente a mudança de indexador já reduziria as dívidas dos Estados em 43,3 bilhões de reais.

Com adoção dos juros simples, o impacto para a União saltaria a 313 bilhões de reais. Nesta terça-feira, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou a jornalistas que a cifra considera o ano base de 2013. Atualizado, o impacto seria na verdade de 402 bilhões de reais.

Segundo o governo, isso poderia levar ao descumprimento da meta fiscal, além de desencadear uma avalanche de pedidos na Justiça por recálculo de valores devidos.

Leia mais:

STF concede liminar a mais 4 Estados para mudança de cálculo da dívida

Barbosa: prioridade do governo é resolver dívida dos Estados

Num esforço de convencimento, Barbosa tem visitado vários ministros do STF antes do julgamento, procedimento que repetiu na tarde desta terça, com encontros marcados com Gilmar Mendes e Celso de Mello.

Para o governo federal, o caminho para um alívio fiscal aos Estados passa pela aprovação no Legislativo de proposta de alongamento da dívida que esses entes possuem com a União, com impacto de até 45,5 bilhões de reais de 2016 a 2018.

O texto, que prevê uma série de contrapartidas de maior rigor fiscal para a concessão de benefícios, foi enviado ao Congresso Nacional em março, mas sua tramitação segue paralisada em meio à profunda crise política e ao andamento do pedido de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff no Legislativo.

(Com Reuters)