Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

S&P põe JBS em observação para possível rebaixamento

A ação se deu após a empresa dos irmãos Batista anunciar a compra da Seara Brasil e das operações de couro da Zenda

Por Da Redação 11 jun 2013, 18h58

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) colocou o rating BB da JBS e de sua subsidiária norte-americana, JBS USA, em observação para possível rebaixamento. A ação ocorreu após o anúncio da compra da Seara Brasil e das operações de couro da Zenda, que eram da Marfrig, pela JBS. Na operação, a empresa controlada pelos irmãos Wesley e Joesley Batista assumiu as dívidas da Marfrig, acumuladas em 5,85 bilhões de reais.

Segundo a S&P, a ação reflete a possibilidade de um rebaixamento do rating da JBS, no caso de sua dívida aumentar, e considera também os desafios para integrar os ativos e financiar as despesas comerciais com o objetivo de melhorar os fluxos de caixa da Seara.

“Esperamos retirar a empresa de observação se tivermos uma visão clara sobre a estrutura de capital da JBS e sua liquidez após a transação ser completada, além de sua estratégia para melhorar as operações da Seara e reduzir sua dívida”, disse a agência.

Marfrig – A S&P também informou que colocou o rating B da Marfrig em observação para possível elevação. Com a venda de suas subsidiárias para a JBS, “esperamos que a Marfrig reduza significativamente sua dívida, potencialmente além de nossas expectativas quando afirmamos o rating com perspectiva estável”, relatou a agência.

Segundo a S&P, o rating da Marfrig poderá ser elevado em um grau depois de a agência avaliar o impacto da transação na geração de caixa da companhia. “Após nossa análise, acreditamos que podemos afirmar o rating com perspectiva estável ou elevá-lo em um grau, dependendo da extensão da melhora nas métricas de crédito e da queda no peso de juros por meio da redução da dívida”.

Continua após a publicidade

Leia também:

‘Risco Brasil’ sobe 25% em um mês

S&P eleva perspectiva da nota de crédito dos EUA para estável

Marfrig fica 1/3 menor com venda da Seara

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade