Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

S&P, Moody’s e Austin rebaixam nota do Cruzeiro do Sul

Agências revisam suas classificações de dívida, após banco sofrer intervenção do Fundo Garantidor de Crédito

Por Da Redação 5 jun 2012, 17h04

As agências de classificação de risco Standard & Poor’s, Moody’s e Austin Rating rebaixaram a nota de crédito do Banco Cruzeiro do Sul, após a instuição sofrer intervenção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) nesta segunda-feira. Foram anunciados novos gestores para o banco da família Indio da Costa e a expectativa é que, depois de ter sua contabilidade analisada, ele seja vendido.

A Standard & Poor’s rebaixou os ratings de longo e curto prazos atribuídos ao Cruzeiro do Sul de ‘B+/B’ para ‘CC/C’ na escala global e de ‘brBBB/brA-3’ para ‘brCC/brC’ na escala nacional. Segundo comunicado, a ação de rating reflete uma deterioração na liquidez do banco e a agência acredita que a instituição seja incapaz de honrar suas obrigações financeiras sem o suporte do FGC.

Leia mais:

Leia mais: Acionistas do Cruzeiro do Sul estão de mãos atadas

Já a Moody’s rebaixou todos os ratings do banco, como o de força financeira (de E+ para E) e de longo prazo de depósitos em moeda local e estrangeira (de B2 para Caa1). Os ratings de depósito e dívida perrmanecem em perspectiva negativa. “Ao rebaixar os ratings, a Moody’s observou que a força financeira do banco e a solvência foram severamente prejudicadas pela qualidade dos ativos e condições de captação muito deterioradas, o que apresenta um risco elevado para os detentores dos títulos”, afirmam os analistas da agência em relatório.

Eles explicam que as exigências de provisionamento mais rígidas para a carteira de crédito do banco, que apresenta uma inadimplência crescente, combinadas com baixas receitas de juros e elevados custos de captação nos últimos trimestres, levaram a perdas contínuas para o banco e pressionaram sua base de capital.

A Moody’s acredita que as ações do FGC não devam aliviar esse cenário no curto prazo e que as incertezas relacionadas à capacidade do banco de cumprir com suas dívidas ou refinanciá-las contribuíram para o rebaixamento dos ratings. “A perspectiva negativa reflete a contínua incerteza sobre o desempenho futuro e o controle do banco”, disse a Moody’s.

Por fim, a Austin disse que a insubsistência encontrada em ativos e o descumprimento de normas aplicáveis ao sistema financeiro brasileiro observado pelo Banco Central são os motivos do rebaixamento do rating de A- para CCC, com observação negativa. A agência também rebaixou as cotas seniores dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs) do Cruzeiro do Sul, com possibilidade de novo rebaixamento.

Continua após a publicidade

Leia mais:

PF abre inquérito para apurar caso Cruzeiro do Sul

Analistas não esperam contágio

Diretor do FGC vai administrar Cruzeiro do Sul

Intervenção não afeta operações, diz FGC

BC avalia venda do Cruzeiro do Sul

Acionistas do Cruzeiro do Sul estão de mãos atadas

Cruzeiro do Sul não deve voltar à família Indio da Costa

Ousadia e extravagância marcam perfil dos donos

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês