Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Somos os principais interessados em esclarecer’, diz Coutinho sobre CPI do BNDES

Presidente do banco de fomento disse estar tranquilo com a abertura da investigação parlamentar anunciada por Eduardo Cunha na última sexta-feira

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, afirmou nesta segunda-feira que recebeu “com tranquilidade” a notícia de que a instituição, que ele comanda desde 2007, será alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito a ser instalada na Câmara.

Após participar de um evento no Ministério da Defesa, Coutinho ressaltou que o banco de fomento é uma instituição aberta e que eles são os “principais interessados em esclarecer” os eventuais problemas que venham a ser levantados na CPI. “Temos plena convicção na nossa capacidade de esclarecer e demonstrar a contribuição do BNDES ao desenvolvimento do Brasil”, afirmou o presidente do BNDES.

Anunciada pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) após ele romper com o governo na sexta-feira, a CPI do BNDES pretende apurar os empréstimos secretos concedidos pelo banco a outros países, como Angola e Cuba, e os repasses feitos a empresas de fachada que foram alvo de denúncia na operação Lava Jato. Entre 2003 e 2014, o BNDES concedeu financiamentos de pelo menos 2,4 bilhões de reais a essas empreiteiras.

Coutinho também comentou sobre o inquérito aberto pelo Ministério Público Federal para apurar a suspeita de tráfico de influência do ex-presidente Lula em favor da Odebrecht em empreendimentos no exterior – grande parte desses projetos foram financiados pelo BNDES. Perguntado sobre o caso, o presidente do banco negou a ocorrência de irregularidades. “Não há nenhuma relação, já falei isso em outros momentos. Os processos de governança do BNDES são extremamente rigorosos e fazem parte de políticas públicas de governo. Não há possibilidade de ingerência política”, garantiu.

Leia também:

‘A oposição ganha um aliado para derrubar o governo’

PMDB reivindica comando da CPI do BNDES

Há dois Eduardos Cunhas

(Com Estadão Conteúdo)