Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Skaf pede ampliação no prazo de recolhimento de impostos

Por Francisco Carlos de Assis e Gustavo Porto

São Paulo – O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, cobrou, nesta quarta-feira ao ministro Guido Mantega, que o governo amplie, “em mais 60 dias”, o prazo de recolhimento de impostos como forma de “dar fôlego” no curto prazo ao setor produtivo no momento de crise internacional e recuo na questão creditícia.

“Hoje o setor produtivo financia em 49 dias, ou seja, as empresas pagam impostos e, em média, recebem do cliente depois desse tempo. Isso é um absurdo e seria até a oportunidade para medida do governo federal, estadual, de alongar o prazo”, pediu Skaf, dirigindo-se também ao secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Andrea Calabi, na abertura do seminário Fiesp Lide.

“Ampliar em uma semana não vai resolver. Se fosse 60 dias a mais para recolhimento, isso irrigaria de forma linear a todos e daria fôlego para recuperar a economia no ano de 2012”, completou.

Segundo Skaf, há 30 anos as empresas tinham até 180 dias para recolher impostos e “compravam, produziam, e recebiam para depois pagar impostos”. Com o recuo da inflação, as empresas passaram a dar mais prazo aos clientes “e o prazo para o recolhimento do imposto foi alongado só um pouquinho”.

Para o médio prazo, Skaf defendeu o barateamento do preço da energia elétrica que, segundo ele, no Brasil é um dos mais caros no mundo. “Temos condições de gerar a energia elétrica de forma mais barata do mundo. Temos 74% da nossa energia em hidrelétricas, que emitem menos CO2 e é mais barata”, afirmou.

No longo prazo, o presidente da Fiesp pediu investimentos em infraestrutura e educação. “Os problemas da Grécia e da Espanha dizem respeito a eles. A nossa parte temos que fazer.”