Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Sistema previdenciário não precisa de ampla reforma’, diz ministro

Mesmo diante do déficit de 56 bilhões, ministro disse que o sistema é 'sustentável' e que não há necessidade de mudança no modelo

O ministro da Previdência Social, Carlos Gabas, disse nesta quinta-feira que o sistema previdenciário brasileiro é um dos melhores do mundo e ressaltou que não defende a mudança do modelo. “Não há necessidade de uma ampla reforma do sistema previdenciário”, disse.

Gabas simplesmente negou os fatos: afirmou que a conta da Previdência não é deficitária, mesmo que em fevereiro o déficit tenha sido de quase 6 bilhões de reais. O ministro tentou torturar os números do governo central afirmando que a Previdência Urbana, que se refere apenas aos valores pagos e desembolsados em áreas urbanas, ficou positiva em 33 bilhões de reais no ano passado. Contudo, a conta total mostrou saldo de 56 bilhões no vermelho. Mas, segundo o ministro, o número “é sustentável”.

Gabas falou nesta quinta em audiência pública conjunta das comissões mistas que discutem as medidas provisórias 664 e 665, sobre o aperto nas regras do seguro-desemprego. O ministro disse que é “a favor do amor” ao justificar que as medidas tomadas pelo governo para dificultar o acesso à pensão por morte são importantes para manter o sistema sustentável. Segundo ele, o governo não tem preconceito com nenhum tipo de relação afetiva.

LEIA TAMBÉM:

Ministro defende adiamento de aposentadorias

“Nós somos a favor do amor na sua mais ampla concepção. O que vale é o amor”, afirmou. “Nós não temos nenhum preconceito com as relações afetivas que se estabelecem na sociedade”, completou. Segundo ele, entretanto, foi necessário acabar com distorções que permitiam o que chamou de “casamento de oportunidade”, quando uma pessoa se casava com outra muito mais velha e acabava recebendo pensão do governo por décadas.

Regras previdenciárias – Segundo Gabas, se Dilma não quisesse “enfrentar o debate” da medida provisória 664, que altera regras previdenciárias, o sistema continuaria com resultado positivo até 2018. “Por que temos que mexer nas regras? Porque tem que ter sustentabilidade no tempo”, explicou.

Gabas rebateu críticas de que o governo estaria justificando as medidas como uma forma de combater fraudes. “Não podemos confundir a fragilidade das regras com fraude. As fraudes têm sido combatidas”, disse.

Leia mais:

Governo superestima economia com mudanças em direitos trabalhistas

Em dia de sangria fiscal, governo anuncia mudanças nas regras do seguro-desemprego

“O que observamos na regra é que há uma permissão legal para que as pessoas tenham acesso ao benefício indevidamente”, disse. Na nova regra, prevista na medida provisória 664, foi estabelecido o tempo mínimo de dois anos de casamento ou união estável antes da solicitação, além do mínimo de dois anos de contribuição à Previdência.

O tempo que o viúvo(a) terá direito a receber a pensão deixa de ser vitalício e passa a ser menor, quanto mais nova for a pessoa. Apenas solicitantes com mais de 44 anos continuam tendo direito ao benefício vitalício. Reafirmando que não tem preconceito, Gabas disse que essas relações não podem implicar despesas ao trabalhador. “As pessoas devem se relacionar, faz bem para o espírito, faz bem para o corpo, mas quem paga essa conta é o trabalhador e a trabalhadora que contribuíram a vida inteira. Isso é injusto”, afirmou. Segundo o ministro, a nova medida tem efeito moderado no curto prazo, mas trará economia de aproximadamente 5 bilhões de reia nos próximos dez anos.

(Com Estadão Conteúdo)