Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Setor industrial recupera fôlego em fevereiro apesar de Covid crescente

Índice PMI aponta crescimento de 3,36%; inflação dos preços de fábrica atingiu o patamar mais elevado em três meses

Por Luisa Purchio Atualizado em 1 mar 2021, 12h18 - Publicado em 1 mar 2021, 11h39

O aumento de casos de Covid-19 e os percalços da vacinação da população brasileira — fatores que devem prejudicar a retomada da economia — não mostram, em primeiro momento, afetar a atividade industrial do país.

Em fevereiro, houve crescimento de 3,36% do setor em relação ao mês anterior, apontando forte otimismo entre os fabricantes brasileiros sobre a recuperação do segmento em 2021 com o avanço das vacinas. Os dados são do índice PMI, divulgado nesta segunda-feira, 1º, pela consultoria IHS Markit. O indicador marcou 58,4, o número é bastante superior ao limite de 50, que aponta estagnação do setor. Acima deste patamar, significa que a área estudada está em expansão.

Em novembro de 2020, o índice PMI da indústria alcançou o ápice de 64,9, mas desde então vinha desacelerando e só agora, em fevereiro, voltou a crescer. “O setor industrial brasileiro recuperou impulso após um início incerto em 2021, mas a velocidade da recuperação permanece mais lenta do que na segunda metade do ano passado”, diz Tim Moore, diretor de economia da IHS Markit.

  • No comunicado, Moore afirma que houve um aumento significativo no número de pedidos, principalmente de clientes do mercado doméstico. Mesmo com a tentativa das fábricas de aumentar a produção e a mão de obra, porém, houve escassez de matéria-prima e componentes.

    “Mais de metade dos participantes da pesquisa indicou prazos de entrega mais longos para as entregas em fevereiro, à medida que os fornecedores continuaram a enfrentar atrasos no transporte internacional e um cenário desafiador de demanda global renovada por insumos”, diz ele.

    Como consequência, os preços dos insumos sofreram forte inflação, pressionando os preços de fábrica na maior velocidade dos últimos três meses. A demanda por commodities está crescendo globalmente e os papeis da CSN e da Vale, produtoras de minério de ferro, disparam, 3,10% e 1,88% respectivamente na manhã desta segunda-feira.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade