Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Setor financeiro pesa e puxa Bovespa para baixo

Por Alessandra Taraborelli

São Paulo – A Bovespa descolou-se totalmente do mercado acionário internacional e amargou mais um dia de queda. No pior momento do dia, o índice atingiu a mínima de 61.328 pontos (-1,04%), mas no final conseguiu se recuperar um pouco e encerrar com declínio de 0,36% aos 61.750,38 pontos. O movimento hoje foi puxado, principalmente, pelo setor financeiro, após o Itaú Unibanco ter divulgado que aumentou as provisões com devedores duvidosos no segundo e terceiro trimestres.

O recuo do Ibovespa, no entanto, foi bem menor que o registrado no IFNC, índice que engloba apenas ações do setor financeiro, que caiu 2,59%. Das 17 ações que compõem esse índice, apenas duas conseguiram fechar em alta. São elas: BM&FBovespa (+0,74%) e Cielo (+0,91%). Na máxima, o Ibovespa atingiu 62.441 pontos (+0,76%). O giro financeiro ficou em R$ 7,646 bilhões. Os dados são preliminares.

“O setor financeiro está apanhando muito. O mercado tem muitas dúvidas sobre o segmento, principalmente na questão de inadimplência. Os números dos bancos mostram que existe preocupação com o nível de inadimplência para os próximos trimestres”, disse Marcio Cardoso, sócio diretor da Título Corretora, explicando a cautela por parte dos investidores

Outro profissional lembrou que amanhã o BTG Pactual deve chegar à Bolsa e, diante deste cenário de preocupação com a inadimplência, alguns investidores podem migrar para o BTG.

No início da tarde, o índice ampliou a queda logo após a presidente da Petrobras, Graça Foster, informar, entre outras coisas, que o reajuste de combustíveis “não será agora”. No mesmo momento, a ação ON da petroleira acentuou a queda e a PN, que vinha registrando leve alta, virou e se manteve em queda até o fechamento.

Logo depois, o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) divulgou as projeções sobre a economia norte-americana e a Bolsa registrou novas mínimas. Para encerrar, o presidente da instituição, Ben Bernanke, em seu discurso, deixou em aberto a possibilidade de uma nova rodada de compra de ativos, conhecida como QE3, coisa que o comunicado divulgado pela manhã, quando a instituição anunciou que manteria o juro do país entre zero e 0,25% ao ano, descartou. Com isso, a Bovespa reduziu as perdas.

Também contribuiu a desaceleração da queda das ações da Petrobras. O papel ON perdeu 0,59% e o PN, -0,52%. Vale ajudou negativamente e fechou com declínio de 1,45% a ação ON e -1,46% a PNA.

Em Nova York, o índice Dow Jones subiu 0,69%, o S&P 500 registrou ganho de 1,36% e o Nasdaq avançou 2,30%.