Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Setor de serviços tem pior março desde 2012, diz IBGE

Recuo em março foi de 5,9% na comparação com o mesmo mês de 2015. No ano, o setor acumula queda de 5% e em 12 meses, de 4,4%.

O volume do setor de serviços do Brasil caiu 5,9% em março na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. O resultado veio em linha com a expectativa de analistas ouvidos pela Reuters. Foi o 12º resultado negativo consecutivo e o pior desempenho para o mês da série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), iniciada em 2012.

Com o resultado de março, o volume de serviços prestados acumulou queda de 5,0% no ano e recuo de 4,4% em 12 meses.

Foram registradas variações negativas nos seguintes segmentos: serviços prestados às famílias (-3,8%), serviços de informação e comunicação (-5,9%), serviços profissionais, administrativos e complementares (-6,8%) e transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-7,2%). Na contramão, o segmento de outros serviços registrou crescimento de 2,6%.

Por região, na comparação anual, o setor de serviços subiu em Tocantins (9,3%), Roraima (7,3%), Rondônia (6,9%), Distrito Federal (4,1%), Ceará (1,4%) e Alagoas (0,2%). Já as maiores quedas de volume foram observadas no Amazonas (-16,3%), Amapá (-15,3%) e Maranhão (-11,7%).

Leia mais:

JBS tem prejuízo de R$ 2,7 bi no 1º tri por perdas com proteção cambial

Lucro do Banco do Brasil cai quase 60% no 1º trimestre

PMS – Desde outubro de 2015, o IBGE divulga índices de volume no âmbito da PMS. Antes disso, o IBGE anunciava apenas os dados da receita bruta nominal. Por esse indicador, que continua a ser divulgado, a receita nominal caiu 0,4% em março ante igual mês de 2015.

A série da PMS foi iniciada em janeiro de 2012. Ainda não há dados com ajuste sazonal (que permitem a análise do mês contra o mês imediatamente anterior), porque, segundo o IBGE, a dessazonalização requer a existência de uma série histórica de aproximadamente quatro anos.

(Da redação)