Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Setor agrícola prospera — mesmo com fim do boom das commodities

Perspectivas para produção de grãos no país são positivas mesmo com a tendência de queda dos preços no mercado internacional

Desde a o fim da crise financeira, a indústria titubeia e o crescimento da economia brasileira tem sido impulsionado pelo setor agrícola. Nos três primeiros trimestres de 2013, a agricultura foi responsável por 23% da riqueza gerada no país. Nos últimos dois anos, o fim do ciclo das commodities (período de alta demanda e pouca oferta de grãos) fez com que o setor perdesse a exuberância de outros tempos – mas isso não significa que deixou de crescer. Ao contrário: as exportações do agronegócio avançaram mais de 4% em 2013, a 100 bilhões de dólares – quase o dobro do crescimento econômico previsto para o período. Segundo especialistas consultados pelo site de VEJA, apesar de o boom das commodities ter se arrefecido, o motor do avanço ainda permanece no campo, onde o Brasil é produtivo e competitivo.

Após um forte desempenho do agronegócio brasileiro em 2013, em que a safra de grãos do país atingiu o resultado recorde de 188,2 milhões de toneladas, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as projeções para o setor este ano continuam otimistas, embora a expectativa seja de queda dos preços dos principais produtos agrícolas, como soja e milho.

Leia também:

Safra bate recorde em 2013: 188,2 milhões de toneladas

Perspectivas – Segundo estimativas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão ligado ao Ministério da Agricultura, a produção de grãos deve bater um novo recorde em 2014, com cerca de 196 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 5,2% em relação à safra do ano anterior. A commodity líder em produção continuará sendo a soja, com aproximadamente 90 milhões de toneladas, um aumento de pouco mais de 10% ante os 81 milhões de toneladas produzidos em 2013.

O sócio-diretor da Agroconsult e coordenador do Rally da Safra, André Pessoa, explica que a perspectiva de crescimento da produção de soja este ano deve-se ao clima favorável nas principais regiões produtoras do país e às tecnologias cada vez mais avançadas aplicadas no campo. “O clima está de bom para ótimo na maioria das regiões produtoras. Além disso, a tecnologia empregada a partir da compra de fertilizantes e agroquímicos e da renovação da frota agrícola tem sido outro fator positivo”, afirma Pessoa. “A chance de atingirmos uma produtividade por hectares superior à safra anterior é muito grande, o que nos levaria a um novo recorde de produção”, acrescenta.

Dados da Conab mostram que o total da área plantada para o cultivo de grão deve chegar a 55,39 milhões de hectares em 2014, que corresponde a uma alta de 4% em relação aos 53,26 milhões de hectares de área plantada da última safra. De acordo com os números da entidade, a expansão este ano deve ser impulsionada pela soja, com cerca de 29,55 milhões de hectares de área plantada, após encerrar 2013 com pouco mais de 27,73 milhões de hectares.

Leia também:

Chineses agora financiam e exportam soja brasileira

Balança encerra 2013 com pior resultado em 13 anos

Preços – Apesar das projeções promissoras, a tendência é de que haja uma desaceleração dos preços das commodities no mercado internacional, sobretudo da soja, devido à recuperação dos estoques internacionais do grão, após um grave período de estiagem que comprometeu a produção agrícola norte-americana em 2012. “Com a safra normalizada nos Estados Unidos, a oferta de commodities no mercado será maior e, consequentemente, os preços devem sofrer uma pressão para baixo”, disse o superintendente comercial de agronegócio do banco Santander, Walmir Segatto. O analista, no entanto, ressalta que, embora tendência seja de queda, o preço da soja ainda deve permanecer vantajoso para o produtor, sustentado pela demanda da China, principal parceiro comercial do Brasil.

O diretor-geral do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Icone), André Nassar, explica que as reformas de infraestrutura na China contribuem para o aumento da demanda por soja no país, o que ajuda a conter a queda do preço do grão no mercado. Segundo ele, a melhoria da qualidade de vida da população chinesa impulsiona o consumo de alimentos, que, muitas vezes, são produzidos a partir do grão brasileiro. “A urbanização é um importante processo estrutural. Quando o chinês está no meio rural, ele compra comida local. Mas, quando migra para a cidade, a situação se torna diferente. Ele vai até o supermercado, onde os produtos pertencem às cadeias internacionais de produção de alimento, e o consumo de soja brasileira será maior”, ressalta.

Gargalo logístico – Com a estabilização dos preços e o aumento da oferta de commodities no mercado internacional, os custos de produção sangram cada vez mais o bolso agricultor brasileiro – sendo a logística o principal problema. A má qualidade das estradas e a carência de investimentos no setor acarretam uma elevada despesa com transportes para o produtor, o que prejudica a concorrência no mercado externo. “Na safra deste ano, os custos de produção já estão acima do recorde de custo da safra de 2008. Com os preços internacionais parando de subir e os custos de produção permanecendo em patamares muito elevados, podemos entrar novamente num ciclo de menor rentabilidade em 2015, deixando a temporada de lucro para trás”, destaca Pessoa, da Agroconsult.

Para o presidente da Sociedade Rural Brasileira, Cesário Ramalho da Silva, a burocracia é um dos principais obstáculos para que sejam realizados investimentos em logística no Brasil. De acordo com ele, o país necessita da construção de novas estradas e da modernização das vias já existentes e dos armazéns para estocagem da produção. “Nosso sistema de logística é inadequado. Desde que o Brasil dobrou sua produção, não se fez praticamente nenhum investimento em logística no país. Não temos entradas, sistemas de transporte e armazenagem modernos, o que gera um custo extraordinariamente exagerado para o produtor”, afirma.