Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Senadoras de oposição são alvo de ação no Conselho de Ética

José Medeiros (PSD-MT) entrou com representação no conselho, contra o grupo que ocupa a mesa do Plenário, para apurar quebra de decoro parlamentar

Por Da redação - Atualizado em 11 jul 2017, 20h51 - Publicado em 11 jul 2017, 18h05

O senador José Medeiros (PSD-MT) entrou nesta terça-feira com uma representação no Conselho de Ética do Senado contra as senadoras de oposição que ocupam a mesa do plenário da Casa há cerca de cinco horas. Elas tentam modificar o texto da reforma trabalhista que vai ao plenário hoje, para acabar com a permissão para trabalho de grávidas e lactantes em local insalubre.

A representação de Medeiros conta com a assinatura de 14 senadores, além de sua própria. No documento, o parlamentar pede ao conselho a instauração de procedimento “para verificação de prática de ato incompatível com a ética e o decoro parlamentar.”

Se aceito, em última instância, esse tipo de processo pode levar à cassação do parlamentar.

Para Medeiros, a conduta das senadoras foi “autoritária, ilegal e, acima de tudo, abusiva” porque “extrapola a postura que se espera em ambiente democrático” e “subtrai o direito dos demais parlamentares ao regular funcionamento da Casa e à continuidade dos debates dos projetos da Ordem do Dia.”

Publicidade

O documento pede ao conselho a “aplicação das sanções disciplinares cabíveis” do artigo 7º da resolução 20, de 1993.  De acordo com o artigo, as medidas disciplinares possíveis são: advertência, censura, perda temporário do exercício do mandato e perda do mandato.

Um protesto das senadoras de oposição interrompeu a votação da sessão que votaria a reforma trabalhista no plenário do Senado nesta terça-feira. Como elas ocuparam todos os lugares da Mesa Diretora, não havia lugar para o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) se sentar.

Sem conseguir assumir seu lugar, Eunício suspendeu a votação por volta das 12h e mandou apagar as luzes do plenário. Ele disse que a votação será retomada “quando a ditadura permitir”.

Publicidade