Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Senado dos EUA rejeita plano aprovado pela Câmara

Proposta de deputados republicanos que previa limite de dívida equivalente à 18% do PIB foi reprovada pelo Senado, que tem maioria democrata

Por Da Redação 22 jul 2011, 12h37

Obama voltou a declarar que os Estados Unidos não vão declarar moratória

O Senado dos Estados Unidos rejeitou a proposta orçamentária republicana chamada de “Cut, Cap and Balance” (cortar, limitar e equilibrar), que previa que o máximo de endividamento do país fosse menor que aproximadamente 18% do PIB. Nesta terça-feira, o projeto havia sido aprovado na Câmara dos Representantes. Já era esperado, porém, que no Senado, cuja maioria é democrata, a proposta fosse ser recusada. O presidente Barack Obama também chegou a mencionar que, a caso a proposta passasse no Senado, ele usaria seus poderes para vetá-la.

Analistas interpretam que a recusa da “Cut, Cap and Balance” potencialmente pavimenta o caminho para um acordo bipartidário entre o governo Obama e o Congresso. Segundo fontes com conhecimento do assunto, o presidente dos EUA e o porta-voz da Câmara dos Representantes, John Boehner, estão se movimentando em direção a um novo acordo que cortaria até 3 trilhões de dólares em gastos e revisaria o código tributário até o final do próximo ano para levantar até 1 trilhão de dólares.

Os votos favoráveis para abandonar a proposta dos republicanos totalizaram 51 ante 46 contrários. Ao impedir que a proposta siga em frente, os democratas esperam agilizar o processo para chegar a um compromisso aceitável para aumentar o limite de dívida de 14,29 trilhões de dólares, algo que deve ser concluído antes de 2 de agosto.

Presidente Obama – O presidente dos EUA, Barack Obama, discursou nesta sexta-feira sobre a necessidade de encontrar uma “abordagem equilibrada” para cortar o déficit do país, dizendo que quer acabar com benefícios fiscais para empresas de petróleo e gestores de fundos de hedge em vez de cortar gastos com educação. O presidente também afirmou que o país não vai declarar moratória de sua dívida.

Obama disse, durante audiência com estudantes e professores da Universidade de Maryland, que está ainda comprometido com o pacote de redução de déficit que inclui aumentos de impostos. “Se nós não tivermos qualquer receita para ajudar a fechar essa lacuna, então muitas pessoas comuns serão prejudicadas”, destacou Obama. “E isso não faz qualquer sentido”, continuou o presidente. “Isso não é justo”.

Perguntado sobre se a emenda nº 14 da Constituição oferece margem de manobra para elevar o teto da dívida da nação sem aprovação do Congresso, Obama respondeu que seus advogados não estão convencidos que é esse um “argumento correto.”

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)