Clique e assine com até 92% de desconto

Sem Mantega, país recuperaria credibilidade, diz FT

Depois de a revista The Economist ter pedido duas vezes a cabeça do ministro, o jornal britânico dedica um editorial à situação econômica brasileira e diz que equipe precisa 'ser sacudida'

Por Da Redação 26 fev 2014, 10h43

O jornal britânico Financial Times sugere que a saída do ministro da Fazenda, Guido Mantega, poderia ajudar o Brasil a recuperar a credibilidade. Em editorial publicado na edição desta quarta-feira, o FT reconhece o esforço recente de Brasília em tentar melhorar a imagem com controle mais rígido da inflação e das contas públicas. Mesmo assim, o jornal defende que “a maneira mais fácil seria sacudir a equipe” e o primeiro alvo seria Mantega, “que há muito tempo perdeu a consideração por parte dos investidores”.

No editorial, o FT analisa a atual situação da economia brasileira e debate alternativas para o país recuperar a credibilidade e a força da economia. O jornal diz que substituir Mantega por um nome pró-mercado “poderia fazer maravilhas”. Não é a primeira vez que a imprensa internacional fala na saída do ministro da Fazenda. A revista The Economist já sugeriu a troca do ministro pelo menos duas vezes ao longo dos últimos meses.

O texto do FT lembra que o Brasil cresceu a um ritmo de 4% durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Agora, o país está “à beira de uma recessão técnica e ninguém sabe de onde o crescimento pode vir”. Entre os problemas da economia brasileira, o texto cita a desaceleração do consumo, baixo investimento, gargalos na infraestrutura e o aumento do déficit externo gerado pela desaceleração dos preços das commodities.

Leia também:

Radar on-line: Mantega, “The Economist” e Dilma

Economist: inflação é ‘fantasma’ que pode arranhar as chances do PT

“Dilma herdou alguns desses problemas de seu antecessor. Outros derivam do ambiente global pior. No entanto, enquanto se aproxima o fim de seu primeiro mandato, muitos problemas foram produzidos por ela também”, diz o editorial.

Continua após a publicidade

Entre os exemplos de erros da equipe de Dilma o FT cita as isenções tributárias e outras medidas adotadas para incentivar a produção industrial, mas que “só aumentaram o déficit público, que foi camuflado pela contabilidade criativa”. “Ela incentivou o Banco Central a cortar taxas de juros, o que estimulou a economia e também o aumento da inflação”, diz o texto, ao lembrar que isso também enfraqueceu o real, acelerando a inflação.

“Combinando o jeito mandão e o estilo sabe-tudo de Dilma, o resultado final é que a senhora Rousseff e seu governo perderam credibilidade aos olhos dos investidores, justo agora que os tempos estão ficando mais difíceis e ela precisa mais deles”, diz o editorial. Apesar de apontar os vários problemas, o FT diz que a situação “está longe de ser perdida”. “Quase todos, no governo e fora dele, concordam em que a economia precisa mudar. A verdadeira questão é como”, diz o texto.

O FT diz que as eleições presidenciais de outubro limitam o campo de reação. A disputa eleitoral, afirma o texto, vai adiar decisões difíceis. Então, outro caminho seria acelerar os investimentos em infraestrutura. “No entanto, enquanto agora alguns projetos estão oferecendo condições mais atraentes aos investidores, outros estão definhando”, diz o editorial, citando como exemplo que a concessão do Aeroporto de Guarulhos resultou, por enquanto, em apenas um “novo edifício garagem”. Por fim, também há morosidade do Congresso e Dilma teria pouca capacidade política para persuadir parlamentares, diz o texto.

Leia ainda:

‘Se é mesmo tão pragmática, demita Mantega’, diz Economist a Dilma

Economist: rezar para São Pedro não soluciona crise energética

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade