Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sem habeas corpus, Índio da Costa dormirá na cadeia

Site de VEJA confirma que advogados do banqueiro não entraram com pedido nesta terça-feira – ou seja, ele passará a noite na penitenciária

Luis Octavio, seu pai Luis Felippe e dois diretores tentaram esconder e movimentar bens e valores que eram passíveis de bloqueio. Tentativas de movimentação dos bens ocorreram tanto no Brasil quanto no exterior.

O ex-banqueiro Luis Octavio Índio da Costa chegou ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, unidade 4, em São Paulo, por volta das 14h45 desta terça-feira. Ex-presidente do Banco Cruzeiro do Sul, Índio da Costa foi preso na tarde de segunda-feira pela Polícia Federal e transferido ao CDP sem que seus advogados tenham entrado com pedido de habeas corpus no Tribunal Reginal Federal (TRF).

A Polícia Federal informou ser procedimento corriqueiro a transferência de acusados, após um dia de prisão preventiva, a penitenciárias do estado, caso não tenham conseguido habeas corpus. Paula Moreira Indalecio Gambôa, uma das advogadas do ex-banqueiro, afirmou ao site de VEJA que o pedido não foi feito porque, apenas nesta terça, a Justiça levantou o sigilo sobre o processo. Em outras palavras, até a data da prisão, apenas a PF tinha acesso aos documentos que embasavam o pedido de prisão preventiva. Segundo Paula, a solicitação de habeas corpus deverá ser feita apenas nesta quarta-feira – ou seja, Índio da Costa passará a noite na penitenciária.

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) do Estado de São Paulo afirmou que o ex-banqueiro ficará isolado dos demais presos, em Regime de Observação. Ainda de acordo com a SAP, ele poderá receber, nesse período, apenas a visita de seus advogados.

Decisão judicial – Segundo decisão judicial obtida pelo site de VEJA e determinada pelo juiz federal Márcio Ferro Catapani, tanto o banqueiro quanto seu pai, Luis Felippe Índio da Costa, e dois diretores do banco, Horácio Martinho Lima e Maria Luísa Garcia de Mendonça, foram acusados pela PF de “ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal”, conforme o artigo 1º, IV, da Lei Nº 9.613/1998. Isso significa que os quatro tentaram esconder e movimentar bens e valores que eram passíveis de bloqueio judicial. Segundo informações da PF, a tentativa foi feita tanto no Brasil quanto no exterior. O pedido de prisão preventiva feito pela Polícia foi acatado pelo juiz Catapani na última sexta-feira.

Em sua decisão, o magistrado entendeu ser “concreto o risco de que os investigados Luis Octavio Índio da Costa e Luis Felippe Índio da Costa ocultem, dissimulem e se desfaçam de seu patrimônio, que há de ser utilizado para ressarcir as vítimas e recompor o patrimônio da instituição financeira”. Contudo, a prisão foi decretada apenas para pai e filho. O juiz afirmou que o processo possui requisitos para a prisão cautelar dos outros dois diretores. Mas, segundo o magistrado, a fiança milionária (de 1,8 milhão de reais para Lima e 1 milhão de reais para Maria Luísa) aos acusados é considerada satisfatória tendo em vista os valores que foram recebidos por eles por meio de irregularidades no banco.

Histórico – Em setembro, Luis Octavio havia sido indiciado, juntamente com seu pai. A PF investiga crimes no Cruzeiro do Sul contra o sistema financeiro, contra o mercado de capitais e lavagem de dinheiro. Por solicitação do órgão, a Justiça decretou, à época, o sequestro de imóveis, veículos e investimentos dos investigados.

“Os envolvidos serão indiciados pelos mesmos crimes. Caso sejam condenados, poderão estar sujeitos a penas de um a doze anos de prisão e multa, conforme os atos que cometeram”, informa a nota da PF.

Segundo as investigações, as fraudes verificadas nos livros do banco eram similares às que foram praticadas pelo banco PanAmericano. Ainda de acordo com a PF, o inquérito do caso Cruzeiro do Sul foi instaurado em junho de 2012, logo após o recebimento de informações repassadas pelo Banco Central (BC). Ao longo da investigação, a Polícia detectou condutas criminosas e encontrou vítimas de fraudes em fundos de investimentos.

Devido aos problemas encontrados pelo BC, o patrimônio líquido do Cruzeiro do Sul ficou negativo em, ao menos, 2,23 bilhões de reais. Assim como ocorreu com o banco fundado por Silvio Santos, o rombo pode ser maior que o que foi divulgado até o momento, ultrapassando 4 bilhões de reais. Teria sido esse, inclusive, o motivo de o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) não ter encontrado compradores para o banco em meados de setembro. Com isso, o BC decidiu liquidar a instituição.

Leia mais:

Banco Central decreta intervenção no Banco BVA

Bancos menores podem ser afetados por quebra do Cruzeiro do Sul

Queda do compulsório pode ter ligação com Cruzeiro do Sul

Para ‘FT’, Banco Cruzeiro do Sul é história de terror