Clique e assine a partir de 9,90/mês

Sem acordo, Grécia não descarta referendo sobre euro

Ministro de Finanças diz que “pode haver problemas” se bloco europeu não aceitar proposta com "enfoque fiscal razoável"

Por Da Redação - 8 mar 2015, 11h03

O ministro de Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, afirmou que seu governo não descarta realizar novas eleições ou um referendo sobre o euro caso não haja um acordo com os parceiros de União Europeia (UE) para ajudar o país a sair da crise. Em entrevista publicada neste domingo pelo jornal italiano Il Corriere della Sera, Varoufakis explicou que “pode haver problemas” se Bruxelas não aceitar o plano proposto pela Grécia.”‘Como já foi dito pelo primeiro-ministro grego Alexis Tsipras, não estamos presos às cadeiras. Podemos realizar novas eleições. Podemos convocar um referendo sobre o euro”, afirmou.

Leia mais:

Parlamento alemão aprova extensão de resgate grego

Eurogrupo aprova plano grego, mas pede mais reformas

Continua após a publicidade

O partido esquerdista radical de Varoufakis, o Syriza, em janeiro, venceu as últimas eleições com a promessa de renegociar o resgate financeiro com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional, descartando medidas de austeridade exigidas pelo vizinho para o reequilíbrio fiscal do país. O ministro afirma que o país trabalha para convencer Bruxelas de um plano que chama de “contrato para o crescimento”‘, baseado em “um enfoque fiscal razoável”. Segundo Varoufakis, o plano será baseado em três pilares: a revisão das metas de superávit, a reestruturação “inteligente” da dívida e um plano de investimentos.

Quanto à reestruturação da dívida, a Grécia considera essencial “ampliar os prazos de vencimento dos pagamentos e diminuir as taxas de juros”. De acordo com Varoufakis, isso seria possível com a rolagem da dívida vinculada ao crescimento do país. E resumiu: “se o país cresce, paga juros mais altos, e se não cresce, paga menos”. O ministro terminou a entrevista fazendo duras críticas ao bloco europeu, lamentando que nos últimos anos “tenha sido colocado todo o peso nas costas das classes mais pobres”.

(Com Agência EFE)

Publicidade