Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Seis meses depois de concorrentes, Oi lança 4G em SP

Mesmo sendo a última a oferecer o serviço aos clientes, empresa está adiantada no cronograma estipulado pela Anatel

A operadora Oi anunciou nesta sexta-feira o início da operação de sua rede de internet móvel de quarta geração (4G) em São Paulo, seis meses depois de suas principais concorrentes. As operadoras TIM, Vivo e Claro já oferecem o serviço na cidade desde abril.

Em comunicado, a Oi informou que os clientes podem contratar os planos 4G em lojas próprias e algumas franquias, pagando a partir de 59 reais mensais no plano de internet para celular com 5 GB de franquia – não incluindo o pacote de voz. “Estamos há dois meses fazendo tudo para afinar o 4G em São Paulo, porque se trata de um público extremamente exigente. Agora atingimos a qualidade que desejávamos”, disse Roberto Guenzburger, diretor de produtos móveis da Oi.

Também nesta sexta-feira, a Oi inicia a oferta de 4G em Curitiba. A empresa já oferece a internet móvel de quarta geração para clientes de Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador. Até 31 de dezembro, levará o 4G para Campinas e São Bernardo do Campo, em São Paulo, além de mais 14 cidades no país.

Apesar de ter lançado o 4G após as concorrentes, a Oi está adiantada em relação ao cronograma de obrigações estipulado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que prevê o atendimento de, no mínimo, 50% de cobertura do 4G em São Paulo até 31 de dezembro. A cobertura 4G da Oi em São Paulo abrange 73% da área urbana.

“Trata-se de uma tecnologia não tão popular como o 3G, tanto em custo do aparelho como do serviço”, disse Guenzburger. “Não é uma tecnologia que vai se massificar nos próximos meses, pois pega mais o topo da pirâmide”, disse, sem dar estimativas de crescimento da base de clientes da Oi com a chegada do 4G na capital paulista.

Leia também:

Nova faixa para rede 4G deve ser aprovada nesta 5ª

Cobertura 4G chegará a 72 cidades até o fim do ano, diz Vivo

Oferta do 4G cresce no Brasil, mas preço continua elevado

(com agência Reuters)