Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Seis bizarrices que só acontecem na economia argentina

O forte intervencionismo do estado na economia faz com que a população enfrente dificuldades para viajar ao exterior, comprar produtos estrangeiros on-line e comprar dólares; presidente chega a telefonar para consumidores 'reclamões'

Por Da Redação 17 fev 2014, 07h35

A situação econômica da Argentina chama atenção por suas características peculiares há algum tempo. O país já passou por diversas moratórias e vive atualmente numa situação de descontrole e instabilidade há muito superada para países próximos, como o Brasil. A inflação ainda é uma das principais dores de cabeça da presidente Cristina Kirchner, que adotou programas de controle de preços para tentar, em vão, segurar a valorização contínua de produtos e serviços. Além disso, o mercado olha com desconfiança as estatísticas do governo: enquanto a inflação oficial de 2013 é de 10,9%, analistas acreditam que os preços subiram a um ritmo de 30% no ano passado.

Leia também:

Atolada em crise econômica, Cristina Kirchner tenta ganhar com o futebol

Após crise cambial, reajuste de preços ameaça Argentina

Transações comerciais entre Brasil e Argentina recuaram em janeiro

Os fatores ligados ao câmbio também assustam. Um cidadão argentino precisa pedir autorização ao governo para comprar pacotes de viagens no exterior e moeda estrangeira. Há ainda limitações de compras em sites estrangeiros, sob a penalização de um imposto de 50% sob o valor do produto, quando o limite é ultrapassado. Se os brasileiros reclamam dos preços elevados de eletrônicos no Brasil, comprar um iPhone na Argentina chega a ser duas vezes mais caro que no país, no mínimo.

Continua após a publicidade

Tal cenário ganhou destaque extra recentemente: uma forte desvalorização do peso argentino frente ao dólar chamou a atenção dos mercados internacionais e criou uma onda de “pânico” em relação aos emergentes depois que a moeda argentina se desvalorizou 11% em apenas um dia, no mês passado.

Leia ainda:

Argentina queima reservas e fecha semana com dólar estável

Argentina limita compra de dólares a 20% da renda

A situação econômica dos “hermanos” virou, inclusive, tema da edição desta semana da revista britânica The Economist, cuja capa traz o título A parábola argentina: o que países podem aprender de um século de declínio. Confira a lista de algumas das “bizarrices” que só acontecem na economia argentina.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês