Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Segundo maior diamante da história virará linha de joias da Louis Vuitton

Sewelô foi encontrado em Botsuana, na África, e pesa 1.758 quilates em sua forma bruta; 5% da renda será revertida para projetos no país

Por Larissa Quintino - Atualizado em 16 jan 2020, 13h59 - Publicado em 16 jan 2020, 13h45

A Louis Vuitton vai transformar o segundo maior diamante da história em uma linha de joias da marca. A pedra de 1.758 quilates (352 gramas), batizada de Sewelô, foi encontrada em uma mina de Botsuana. Focada em bolsas e outros artigos de luxo, a Louis Vuitton vem investindo em joias recentemente e abriu uma loja em Place Vendome, em Paris, bairro famoso por abrigar a Cartier.

O Cullinan, maior diamante da história, tinha 3.106 quilates (621 gramas) na forma bruta. Após lapidado, chegou aos 530 quilates (106 gramas) e foi arrematado por 337 milhões de euros, o que pode dar uma ideia do potencial de venda da nova pedra para a grife francesa.

A Lucara Diamond, que encontrou o diamante em sua mina de Botsuana no ano passado, disse que fechou um acordo com a marca de luxo e com a HB Company, fabricante de diamantes de Antuérpia. Não se sabe o valor dos diamantes polidos. Em comunicado, a empresa disse que receberá uma comissão inicial “não material” e será dona de 50% dos diamantes polidos do Sewelô, que significa “descoberta rara” em Tswana, um idioma falado em Botsuana, e é aproximadamente do tamanho de uma bola de tênis.

“Além disso, 5% da receita de vendas no varejo geradas a partir dessa coleção histórica será investida diretamente em iniciativas em Botsuana“, disse a empresa. 

Publicidade

O mercado de joias vêm ganhando espaço cada vez maior no grupo LVMH, que controla a Louis Vuitton. Em novembro, o grupo pagou 14,2 bilhões de euros pela grife americana Tiffany. A Bvlgari também faz parte das marcas do LVMH.

Publicidade